STOCK CAR PRO SERIES – ENREDO FANTÁSTICO, PÚBLICO E FANS CONSUMIRAM UM FINAL DE SEMANA ÉPICO!

Gabriel Casagrande colocou seu nome na galeria dos campeões da Stock Car no domingo (12), ao obter dois terceiros lugares na Super Final BRB, etapa que decidiu a temporada de 2021, no Autódromo de Interlagos.

Na classificação, Casagrande se aproximou do título em Interlagos, com a pole e somou mais dois pontos e ampliando a vantagem na liderança do campeonato.

Com extrema competitividade, com 27 carros dentro do mesmo segundo na fase Q1, Gabriel Casagrande tinha um ritmo forte para a conquista de seu primeiro título da Stock Car Pro Series.


O piloto da A.Mattheis-Vogel faturou na tarde do sábado (11) a pole position para a última etapa da Stock Car, ao percorrer os 4.309 metros do Autódromo de Interlagos, em São Paulo (SP), em 1min40s035, garantindo a posição de honra Foto Duda Bairros/Stock Car

Esta foi a quarta pole position da carreira do jovem paranaense de 26 anos na Stock Car Pro series.

A segunda fase do classificatório, a Q2, viu os dez primeiros separados por apenas 0s252. A volta de Casagrande foi obtida nos instantes finais da fase seguinte, o Q3, e garantiu mais dois pontos para o dono do Chevrolet Cruze #83, que somou 27 pontos de vantagem sobre o tricampeão Daniel Serra, piloto da Eurofarma RC que largou na terceira posição. Entre os dois estava Thiago Camilo, piloto da Ipiranga Racing que, com a pole do líder do campeonato, não tinha mais chances matemáticas de título, mas isso não era impedimento para fazer valer a sua tocada forte em Interlagos.



Galid Osman foi um dos destaques no quali, colocando o Chevrolet Cruze #28 mais uma vez no Q3. Atrapalhado por outro competidor na fase final do treino, ele ainda foi capaz de cravar o quinto tempo. Quinto colocado na tabela de classificação até a etapa final, o atual vice-campeão Ricardo Zonta ficou a apenas 0,187 de avançar para o Q2. Ele largou na 18º. Átila Abreu, vice-campeão da Stock Car em 2014, em nono na pontuação até a etapa largou em 25º neste domingo, a primeira da história da Pole Motosport, organização batizada de equipe Shell V-Power nesta temporada.



Palavras do pole: “Eu adoro esse autódromo aqui, ainda mais nesta situação atual, podendo ter o público de volta. Estou aqui com a minha família e meus amigos, que com certeza comemoraram muito, assim como eu comemorei dentro do carro. A sensação foi maravilhosa. Foi também um alívio, pois consegui eliminar um concorrente e ainda aumentei dois pontos para o vice-líder. Estou muito feliz, agradeço a Deus e também à minha equipe – se fui o pole em maio aqui e hoje também é porque tive carro para isso. Espero repetir o domingo de maio, com mais uma vitória e vamos em busca deste título”, disse Casagrande. Foto: Gabriel Casagrande conquistou a quarta pole de sua carreira na Stock Car – Duda Bairros/Stock Car


“Gostaria de agradecer minha família e todos da equipe AMattheis Vogel. Se eu consegui a pole position aqui em maio e agora novamente foi porque o time me entregou um carro com condições para isso. Espero lutar pela vitória e o foco principal é ir em busca desse título”, diz Casagrande, que acumulava até a etapa final 27 pódios, 5 vitórias e 4 poles conquistadas na Stock Car.


Daniel Serra: partir pra cima¨ – No momento, Casagrande somava 338 pontos, contra 311 de Serra. Com 27 pontos a menos e 54 em jogo nas duas corridas do domingo, o tricampeão diz não ter estratégia especial para tentar o tetracampeonato. “O objetivo é o mesmo, vamos tentar ir para cima. Obviamente o melhor era estar na frente e com esses dois pontos extras, mas não é isso que vai mudtirar completamente a dinâmica do campeonato. Para descontar 25 pontos vamos precisar de uma falta de sorte dele. Mas corrida é corrida, vamos ver o que acontece. Vamos largar e ir para cima”, comentou o piloto do time de Rosinei Campos, o Meinha. Foto: Daniel Serra e Rosinei Campos, o Meinha, chefe da equipe Eurofarma RCDuda Bairros/Stock Car


Felipe Lapenna conquistou bom quarto lugar com a Hot Car Foto Vanderley Soares/P1 Media Relations

A pole de Casagrande eliminou da briga pelo título o experiente Thiago Camilo, que matematicamente não pode mais alcançar o líder do campeonato. Com um Toyota Corolla da Ipiranga Racing, partiu da segunda posição, mas agora brigando “apenas” pelo vice-campeonato.


O piloto Bruno Baptista (Corolla) foi bem nos três treinos classificatórios. Ficou em no Q1 com todos os 32 participantes, foi o no Q2 com 15 e largou na 6ª posição da primeira corrida, com 1.40.636 Foto Carsten Horst / Hyset

Na 12ª e última etapa da temporada, Júlio Campos vai largar outra vez no Top-10 no grid da Stock Car. O piloto Lubrax | Podium Stock Car Team cravou no treino classificatório do sábado (11) o oitavo tempo para a corrida de domingo Foto Rodrigo Guimarães/MS2

O resultado da classificação para a última etapa da Stock Car:

1º – Gabriel Casagrande (A.Mattheis-Vogel/Chevrolet Cruze) – 1min40s035
2º – Thiago Camilo (Ipiranga Racing/Toyota Corolla) – 1min40s279
3º – Daniel Serra (Eurofarma RC/Chevrolet Cruze) – 1min40s304
4º – Felipe Lapenna (Hot Car/Chevrolet Cruze) – 1min40s443
5º – Galid Osman (Shell V-Power/Chevrolet Cruze) – 1min40s585
6º – Bruno Baptista (RCM Motorsport/Toyota Corolla) – 1min40s636
7º – Matías Rossi (Full Time Sports/Toyota Corolla) – 1min40s643
8º – Julio Campos (Lubrax Podium/Chevrolet Cruze) – 1min40s654
9º – Allam Khodair (Blau Motorsport/Chevrolet Cruze) – 1min40s671
10º – Ricardo Maurício (Eurofarma RC/Chevrolet Cruze) – 1min40s672
11º – Sergio Jimenez (Scuderia CJ/Toyota Corolla) – 1min40s734
12º – Guga Lima (A. Mattheis-Vogel/Chevrolet Cruze) – 1min40s787
13º – Cacá Bueno (Crown Racing/Chevrolet Cruze) – 1min40s932
14º – Felipe Massa (Lubrax Podium/Chevrolet Cruze) – 1min40s977
15º – Christian Hahn (Blau Motorsport II/Chevrolet Cruze) – 1min41s201
16º – Marcos Gomes (Cavaleiro Sports/Chevrolet Cruze) – 1min41s053
17º – Pedro Cardoso (KTF Racing/Chevrolet Cruze) – 1min41s074
18º – Ricardo Zonta (RCM Competições/Toyota Corolla) – 1min41s225
19º – Gaetano di Mauro (KTF Racing/Chevrolet Cruze) – 1min41s240
20º – Diego Nunes (Blau Motorsport/Chevrolet Cruze) – 1min41s258
21º – Rubens Barrichello (Full Time Sports/Toyota Corolla) – 1min41s274
22º – Rafael Suzuki (Full Time Bassani/Toyota Corolla) – 1min41s275
23º – Guilherme Salas (KTF Sports/Chevrolet Cruze) – 1min41s295
24º – Lucas Foresti (KTF Sports/Chevrolet Cruze) – 1min41s297
25º – Átila Abreu (Shell V-Power/Chevrolet Cruze) – 1min41s316
26º – Tony Kanaan (Full Time Bassani/Toyota Corolla) – 1min41s510
27º – Denis Navarro (Cavaleiro Sports/Chevrolet Cruze) – 1min41s614
28º – Gustavo Frigotto (RKL/Chevrolet Cruze) – 1min41s866
29º – Marcelo Hahn (Blau Motorsport II/Chevrolet Cruze) – 1min42s344
30º – Tuca Antoniazi (Hot Car/Chevrolet Cruze) – 1min42s459
31º – Cesar Ramos (Ipiranga Racing/Toyota Corolla) – 1min46s251
32º – Beto Monteiro (Crown Racing/Chevrolet Cruze) – sem tempo




No sábado ainda reservava surpresas e ela estava coberta na parte coberta atrás dos boxes de Interlagos. Conhecida como Stock Light até 2021, a categoria de acesso à Stock Car Pro Series passa a se chamar Stock Series a partir da próxima temporada.

Marcando a nova fase, o pacote técnico da competição sofrerá alterações. No final de semana, a Vicar, promotora dos dois campeonatos, apresentou a nova configuração do carro da Stock Series, com alterações que permitirão à categoria de acesso ter um desempenho muito mais próximo tecnicamente do carro da Stock Car Pro.

O conjunto é claramente um passo à frente: nos testes preliminares de desenvolvimento do modelo, ocorridos recentemente em Santa Cruz do Sul e Cascavel, o novo Stock Series se mostrou em média 1,5 segundo mais veloz que a versão utilizada até 2021. Esta evolução no pacote técnico sinaliza a proposta da Vicar de fazer a categoria de acesso replicar cada vez mais perfeitamente as condições competitivas da Stock Car Pro, aprimorando o processo de formação dos jovens pilotos.

Outro detalhe de alinhamento entre as duas categorias é o fato de a bolha de todos os carros da Stock Series passar a ser a do Cruze – modelo da Chevrolet que briga pelo título na Stock Car Pro.


“O carro segue sendo o mesmo, mas ele ganhou um facelift e algumas modificações técnicas que renderam um excelente resultado nos testes de desenvolvimento”, destacou Fernando Julianelli, CEO da Vicar. “Para isso, tivemos a ajuda do nosso parceiro mais antigo, a Chevrolet, e agora temos o modelo Cruze na nova Stock Series, em um alinhamento perfeito entre os dois campeonatos.”




Para 2022, a Vicar criou um amplo programa de incentivos, que oferecerá uma redução expressiva no orçamento das equipes. Estão inclusos no projeto prêmios por largada e pneus por valores subsidiados, o que criará um ambiente mais saudável para a manutenção das equipes, aliviando seu orçamento.O pacote de mídia também será remodelado, seguindo o padrão já visto pela Stock Car Pro Series, com exposição do conteúdo da categoria em transmissões na RedeTV, Band Sports, mídias da categoria (Facebook e Youtube), além de canais acessados internacionalmente. Segundo o executivo, o projeto inclui ainda uma academia formada por especialistas que instruirão os pilotos sobre temas importantes da profissão, como noções de marketing, media training, redes sociais, mecânica e eletrônica automotivas, interpretação de dados, relacionamento com a equipe, interação com engenheiros de vários campos, entre vários outros campos de aprendizado.


Apresentação do carro da Fórmula 4 Brasil Certificado pela FIA em 2022 pelo Fernando Julianelli, CEO da Vicar, a partir de acordo assinado em agosto na Itália com Gianfranco De Bellis, presidente da Tatuus, fabricante oficial dos carros e licenciada pela Federação Internacional do Automóvel (FIA). O novo campeonato terá supervisão da Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA), cujo presidente, Giovanni Guerra, foi o responsável por elaborar todo o projeto da categoria nacional junto à FIA, etapa necessária que antecedeu as fases comerciais e logísticas.



“A Fórmula 4 foi criada pela FIA para ser o primeiro passo de jovens pilotos que saem do kart rumo à Fórmula 1 e precisam de uma categoria que dê continuidade ao aprendizado, ao mesmo tempo em que os desenvolve nas questões profissionais do esporte”, explica Fernando Julianelli.

Formação de pilotos – “Havia uma importante lacuna na escala de formação de pilotos no automobilismo brasileiro em termos de continuidade de carreira, que agora estaremos preenchendo, inclusive com um carro tão novo que só estreará mundialmente em 2022. Outro ponto importante era termos aqui o mesmo equipamento usado nos principais centros do automobilismo internacional. O nosso objetivo é incentivar novos talentos e dar aos nossos kartistas a oportunidade de serem preparados para competir em alto nível sem terem que morar muito jovens no exterior”, continua o CEO da Vicar.

“Particularmente eu estou muito feliz, por que de uma conversa entre a CBA e a Vicar, na etapa da Stock Car realizada em Goiânia, no primeiro semestre, tenha nascido a oportunidade de falarmos diretamente com o Gianfranco De Bellis”, diz Giovanni Guerra, presidente da CBA.

“Na ocasião a Vicar abraçou a ideia de imediato e, hoje, vendo mais este resultado do nosso empenho, é sem dúvida uma satisfação enorme. Temos a sensação de estarmos realizando o que nós viemos para fazer nessa gestão da CBA. Estou realmente feliz pelo fato de o Brasil estar preenchendo essa lacuna. E mais feliz ainda por estarmos adequando o país ao que há de mais moderno e competente no automobilismo mundial em termos de preparação de pilotos para o futuro”, completa o dirigente.

Chassi: nova geração – A Fórmula 4 Brasil utilizará o modelo F4 T-021, segunda e ainda inédita geração do chassi fabricado pela italiana Tatuus, que deve estrear mundialmente a partir de 2022. Com um projeto orientado pelas novas especificações de segurança da FIA, os 16 carros que serão trazidos ao Brasil são dotados inclusive do halo, equipamento introduzido em 2016 pela entidade em suas principais categorias de monopostos e que desde então foi responsável por evitar ferimentos graves em dezenas de acidentes.


O motor será o Abarth-Autotecnica 1.4, com 176cv de potência e câmbio da especialista francesa SADEV de seis marchas, acionado por sistema de borboletas e eletrônica Magneti-Marelli.


Piloto experiente, Campeão Mundial de Kart FIA (1995) e um bem-sucedido manager da carreira de pilotos profissionais, Gastão Fráguas Filho foi apontado pela Vicar como líder do projeto. Outro aspecto importante é que, além do nome oficial incluir o selo FIA, o novo campeonato mostra sua relação direta com os projetos da entidade máxima do esporte ao conceder ao seu campeão 12 dos 40 pontos necessários para o ranking que indica os competidores habilitados a disputar o Mundial de Fórmula 1.

3 mil km ao volante – Com seis etapas compostas de três corridas cada uma, o Fórmula 4 Brasil Certificado pela FIA competirá dentro do evento promovido para a Stock Car Pro Series, o maior da América Latina.

Conheça as equipes que disputarão Fórmula 4 Brasil em 2022:

Cavaleiro Sports
Na Stock Car Pro Series desde 2013, a equipe é chefiada por Beto Cavaleiro, que possui vasta experiência não só na preparação de carros na principal categoria do automobilismo brasileiro, mas também como piloto em diversos campeonatos do automobilismo nacional, incluindo a Stock Car. Instalado em Guarulhos (SP), na Stock Car o time atualmente conta com uma dupla que vem brigando pelo pódio regularmente. O campeão de 2015, Marcos Gomes, e Denis Navarro, que tem sido nomes constantes na briga pelo pódio. É uma performance será replicada na briga pelo título da Fórmula 4.

KTF Sports
A mais jovem das equipes confirmadas é a KTF. Criada em 2017 e comandada por Enzo Bortoleto – piloto com passagens por campeonatos de kart e fórmula na Europa –, a escuderia baseada em Cotia (SP) em pouco tempo se firmou como uma das forças do competitivo grid da Stock Car Pro Series e também da Stock Car Light. A sigla que dá nome à equipe (K-T-F: Kart, Turismo e Fórmula) deixa claras as intenções do time, dono de poles e vitórias na Stock Car, títulos na Stock Car Light e multicampeão das 500 Milhas de Kart – maior evento do calendário de kart do Brasil. Com credenciais tão fortes conquistadas em um curto espaço de tempo, o novo desafio será tentar o título na F4.

Full Time Sports
Dono de um título de Stock Car (2014) e duas conquistas na Corrida do Milhão (2014 e 2018) com Rubens Barrichello, o engenheiro Maurício Ferreira é mais um grande nome que comandará um time na briga pelo título inaugural do Fórmula 4 Brasil Certificado pela FIA. Desde sua fundação, em 2004, a escuderia baseada em Vinhedo (SP) já acumulou experiência em outras categorias de monopostos, como a Fórmula 3 e a Fórmula Renault – na qual foi campeã com Felipe Lapenna em 2006. Com esta bagagem, a equipe – que em 2021 conta com Barrichello, Tony Kanaan, Rafael Suzuki e o argentino Matías Rossi no grid da Stock Car Pro Series – certamente será uma força importante no novo campeonato.

TMG Racing
Comandada por Thiago Meneghel, conhecido chefe de equipe da Stock Car Pro Series com várias vitórias no currículo, a equipe é uma das mais sólidas do automobilismo brasileiro, tendo contado com nomes como Valdeno Brito, Átila Abreu e Ricardo Zonta, além do trio atual – Allam Khodair, Diego Nunes e Christian Hahn. Baseado em Americana (SP), o time será reforçado no próximo ano com a chegada de Nelsinho Piquet. Paralelamente,  disputará o primeiro ano da Fórmula 4 Brasil. Com estrutura de ponta e uma presença contínua entre os melhores times da Stock Car, a TMG já se posiciona como candidata a grandes resultados no ano que vem.


Largada da Corrida 1, que deu a Thiago Camilo a 37a vitória da carreira Foto Duda Bairros/Stock Car

A conquista do primeiro título de Gabriel Casagrande na Super Final da Stock Car Pro Series em Interlagos começou quente na corrida 1 e foi assim até o final. E nasegunda corrida não diferente.

Com o retorno do seu público e fans da Stock Car Pro Series a Interlagos testemunharam duas corridas das mais emocionantes no domingo. Na primeira, Thiago Camilo tomou a liderança de Casagrande, o pole position, ainda nos metros iniciais para garantir a vitória, sua 37ª na carreira, igualando o número de Cacá Bueno e se tornando o maior vencedor em atividade ao lado do pentacampeão. Daniel Serra foi o segundo, e levou o campeonato para a segunda prova, sendo seguido por Casagrande.


Em Interlagos, Ricardo Maurício venceu pela sétima vez na temporada 2021 Foto Duda Bairros/Stock Car

Na segunda prova, Ricardo Maurício saiu com a vitória com um Chevrolet Cruze da Eurofarma RC, enquanto Ricardo Zonta, com um Toyota Corolla preparado pela RCM Motorsport, fechou a prova com o segundo lugar. Casagrande teve outra atuação notável e terminou a prova em terceiro, garantindo o título e o seu 14º pódio na temporada. Marcos Gomes, com um carro da Cavaleiro, foi o quarto, sendo seguido por Daniel Serra, que ficou com o vice-campeonato.



A Stock Car já se prepara para a temporada de 2022, que será aberta no dia 13 de fevereiro, em local que será divulgado em breve.

Luiz Salomão

Blogueiro e arteiro multimídia por opção. Dublê de piloto do "Okrasa" Conexão direta com o esporte a motor!

3 comentários em “STOCK CAR PRO SERIES – ENREDO FANTÁSTICO, PÚBLICO E FANS CONSUMIRAM UM FINAL DE SEMANA ÉPICO!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.