CHEVETTE MISTO QUENTE

Chevette Misto Quente

Muito se falava mas pouco se sabia acerca dos Chevettes preparados pela Engenharia da General Motors do Brasil, que ganharam o carinhoso apelido de “Misto Quente”, que, em certa época, barbarizaram nas pistas e nos rallies. Tratavam-se de Chevettes cujos motores 1.6 eram providos de cabeçotes de Monza. Para melhor explicar aos leitores do que se trata, transcrevo as palavras do grande piloto e jornalista Bob Sharp.


Palavras de Bob Sharp

“A GM do Brasil bem que poderia ter equipado o nosso Chevette com esse motor para lançar uma versão realmente esportiva, com o motor 1,6 litro do Monza devidamente afinado, com um carburador de corpo duplo e um comando de válvulas com maior tempo de abertura, fazendo-o alcançar cerca de 100 CV de potência.
Mas se fosse o caso de não querer abrir concorrência interna, poderia muito bem lançar no mercado o Chevette com o motor que ficou popularmente conhecido como Misto Quente, que é, na verdade, o motor do Chevette, como o conhecemos, equipado com o cabeçote completo do motor Família II do Monza, já que isso foi um verdadeiro sucesso nas competições de rally, rendendo ao Chevette o campeonato e o vice-campeonato brasileiro de rally de velocidade de 1984 pelas mãos dos duplas Sady Bordin (piloto) / Tuca Cunha (navegador) e Cézar Villela (piloto) e José Baranowski (navegador) (ver post “COMPETIÇÕES NO ASFALTO E NA TERRA”).
Tal preparação rendia ao Chevette de 1,6 litro 125 CV de potência… Nada mal para um esportivo de rua, não acham? E uma potência nem tão absurda para a época, já que o Volkswagen Passat GTS 1.8 beirava os 100 CV.”


Chevette equipado com o famoso motor misto-quente (metade de Chevette e metade de Monza), campeão brasileiro de rali em 1984, pelas mãos de Sady Bordin e Tuca Cunha
Chevette Monza Motor #2


Sady Bordin/Tuca Cunha finaliando um pêndulo, em prova no RS, em 1984
Chevette Monza Motor #1


Foto publicada em página dupla na antiga Revista Motor 3, edição de janeiro de 1985
Chevette Monza Motor


Continuando com as palavras de Bob Sharp:
“Outra curiosidade foi termos montado protótipos do motor do Chevette com cabeçote da Família II (Monza), o que comprova não só que as distâncias entre cilindros eram as mesmas, como também a posição dos parafusos de fixação do cabeçote era igual, apesar de os coletores estarem em lados opostos nos dois projetos. Me recordo que os protótipos funcionaram muito bem, com potência bem superior à versão com cabeçote de ferro fundido.”

O Misto Quente também fez bonito nas pistas, pena que a glória era efêmera. Continuando com as palavras de Bob Sharp:
“Minha única derrota em cinco anos administrando competições na Volkswagen foi o Campeonato Brasileiro de Rali de 1984 mencionado. O binômio Chevette-Sady Bordin era imbatível. Tivesse a GM continuado o empenho tanto no Campeonato Brasileiro de Rali quanto no Campeonato Brasileiro de Marcas e Pilotos, a VW certamente teria mais dificuldade. A fábrica de São Caetano do Sul só participou em 1984. Vale lembrar que no Marcas Ingo Hoffmann, com esse Chevette, era um destaque, tendo feito diversas poles. O problema era o sistema de eixo traseiro com tubo de torque, que abria o bico cedo. Enquanto não quebrasse o Ingo andava na frente.”

Mais dicas de Bob Sharp:
“Tal adaptação para transformar o motor do Chevette num “Misto Quente”, é mais simples do que parece, bastando apenas colocar o cabeçote completo do Monza no motor do Chevette. Assim, num motor 1,6 litro do Chevette já se chega perto dos 110 CV. Pode-se também lançar mão do cabeçote do extinto Vectra GSi, com 16 válvulas, no entanto, neste caso, por ainda não ser tão difundida, na época, a tecnologia dos comandos de válvulas variáveis (e o Vectra GSi não o possuía), o motor ficará um tanto “chôcho”, com pouco torque em baixa rotação. Mas caso resolva-se utilizar um turbo compressor, problema resolvido, já que o turbo faz com que o motor atinja altas rotações mais rapidamente”.



Chevette Vectra Motor
Chevette com cabeçote de Vectra 8 válvulas  Fotos www.chevetters.com


E agora um filme feito pela General Motors para o Salão do Automóvel de 1984 mostrando o Chevette da dupla campeã Sady e Tuca. Além dos pilotos, a estrutura da equipe era composta por um diretor esportivo, José Luiz, um chefe de equipe, Sergio Cunha, e pelos mecânicos Amaro, Nelson, Roberto e Chiquinho. A base era na oficina do Touring Club do Brasil, em Bonsucesso, no Rio de Janeiro.


Por: Luiz Vicente Miranda

[Na verdade este post nem deveria ser considerado de minha autoria porque, para atender ao pedido do amigo Zé Rodrigo Octavio, apenas transcrevi as palavras de Bob Sharp].

Fontes: https://3.bp.blogspot.com/_HLAQVNOuh8Y/TN2k1bM7FzI/AAAAAAAAAEY/EbDwbH_f20s/s1600/chev-01.jpg e https://chevettesdicasevenenos.blogspot.com.br/2010/11/competicoes-no-asfalto-e-na-terra.html

https://autoentusiastas.blogspot.com.br/2011/12/origem-do-motor-do-chevette.html

https://www.bordin.net/fotos/automobilismo/automobilismo.htm

Fonte:https://chevettesdicasevenenos.blogspot.com.br/2010/11/competicoes-no-asfalto-e-na-terra.html”>chevettesdicasevenenos.blogspot.com.br

Luiz Salomão

Blogueiro e arteiro multimídia por opção. Dublê de piloto do "Okrasa" Conexão direta com o esporte a motor!

4 comentários em “CHEVETTE MISTO QUENTE

  • 8 de agosto de 2021 em 20:47
    Permalink

    Então o chevette de rally só com um carburador de corpo duplo e o cabeçote de monza já atinjia 125cv? Se tinham mais peças no carro de rally, deixem anotado aí em baixo por favor!

    Resposta
    • 5 de novembro de 2021 em 08:25
      Permalink

      Otávio, falei com amigos que já correram com a marca e disseram que para o caso do rally, sendo uma prova de precisão de torque forte etc essa receita chega a esse resultado porque o carburador é preparado para tal, e tendo mais notícias passo para vcs! abs

      Resposta
  • 4 de novembro de 2021 em 07:52
    Permalink

    tenho uma dúvida, quero fazer o meu assim mas o carburador do meu chevette troquei recentemente, é um weber 460 com segundo estagio mecânico. O coletor do chevette e o carburador da certo no cabecote do monza?

    Resposta
    • 5 de novembro de 2021 em 08:26
      Permalink

      Outra coisa que varia muito com o resultado que se quer alcançar…uma coisa é certa qto maior a alimentação, mais comida, tem-se mais resposta! abs

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.