MUSTANG V8 – 1967… Lomba e Aranha!

Rolando o papo sobre os “big-block”, preparação “Gurney” e por aí…João Cesar, atento como só, manda para nós do boteco uma matéria que saiu em julho de 1993 sobre o Mustang V8 do Paulo Lomba que competiu em várias provas e virou um ícone no meio das corridas rápidas ou de longa duração.

E João lembrou bem que o danado dava ralo em muito importado e com a usina a toda era difícil não ver a barata voando pelas pistas.
Eu particularmente o vi por várias vezes, praticando o que mais gostava, ganhando provas em cima de carros muito…mas muito mais modernos. Provas da “APCAH” era assinar recibo e as Mil Milhas ía com galhardia para a bandeirada final…

Falando com o Lomba num evento em que veioo então KG-Porsche Dacon para Interlagos, ele passou mais ou menos os impressionantes números da barata:
Participou de 23 corridas de carros clássicos em São Paulo, venceu 19.
Mil Milhas Brasileiras,foram quatro participações:
1992 – terceiro lugar na Geral.
1993 – Pane no alternador.
1994 – quando pilotado pelo Jorge Freitas, bateu na sexta volta, quando passava para sexto.
1995 – terceiro na categoria, mesmo trocando a bomba de óleo durante a noite…

Bom, eram esses alguns dados da época da motorização…virabrequim normal de sperie dos 302 V8, pistões forjados TRW 030, bronzinas Klevite, balancins reguláveis e taxa de 10,5:1.

Alimentação, são quatro Weber 48 duplos, sem filtros a ar, somente com as cornetas. Coletores de escapamento, São da marca Hedman. Mas o pulo do gato na preparação, são os cabeçotes de alumínio Gurney-Eagle, projetados por um engenheiro inglês chamado Henry Weslake a pedido de Dan Gurney, para os motores 289 e 302 dos anos 60. Esse modelo de cabeçote, foi usado nos Ford GT 40 que marcaram época no Mundial de Marcas…e uma curiosidade, na época o Mustang estava com os cabeçotes do Maverick de D3 do Paulo Gomes.
O câmbio usado era Doug-Nash de cinco marchas. O diferencial é de Maverick, com autoblocante de pickup F-1000, e realção 3,07:1.

O sistema de freios, Wilwood, com discos de 13 polegadas e pinça de seis pistões na dianteira e na traseira, discos de 12 polegadas e pinças de quatro pistões. Pastilhas de freios de Stock ameriacano.
A potência gira em tôrno de 350 a 400hp. No traçado antigo do Templo, a barata chegava nos 200ms de placa na Curva 3, a 7.200rpm ou 290km/h.
No traçado atual, atingiu velocidade máxima de 228,4km/h…

Bom, é isso. Acredito que updates aconteceu, mas isso é palavra para os conhecedores do assunto e do dono da bagaça! E chega para completar a matéria, fotos atuais da usina…

…enviadas pelo Roberto Aranha, que dividiu a barata com Paulo Lomba em 3 Mil Milhas e diversas corridas regionais. “Tenho ele como referencia de potencia. Nunca esquecerei o Piquet tentanto me passar , e tentando tudo na freiada do lago, abrindo na parte suja e para eu nunca esquecer , ele tomando um x!!! Depois do treino , ele veio ao nosso box me dizer que eu era maluco porque aquela banheira andava um barbaridade”, disse Roberto, com um sorriso de orelha a orelha!
(reprodução/Revista Of. Mecânica/1993/Fotos Carlos Henriques/Roberto Aranha)

Luiz Salomão

Blogueiro e arteiro multimídia por opção. Dublê de piloto do "Okrasa" Conexão direta com o esporte a motor!

17 comentários em “MUSTANG V8 – 1967… Lomba e Aranha!

  • 19 de Fevereiro de 2009 em 00:51
    Permalink

    Pois é pessoal, este carro e muito, mas muito especial por vários motivos: Sua idade e potência, o motor do GT40 ,ser um Fast Back 67,corre desde 1985 (APCAH) e ter sido o mais rápido no radar nas Mil Milhas de 92 a 95;para ser exat com o 241km/h na placa de 200 da reta de Interlagos.
    Apos 17 anos, este ainda e um numero respeitável.
    Em 1994 quando a equipe da fabrica BMW veio com tudo e trouxe para Johnny Cecoto, Nelson Piquet, Steve Soper e Ingo Hoffman, duas M3 GTR que so duraram 3 horas de 1000 milhas
    No radar da BMW no mesmo ponto, as GTR estavam a 237! Quanto ao ponto de freiada deles e o nosso , isto e outra historia…!!
    Quanto a nossa potencia , passamos recentemente o Mustang no dinamometro, coisa inexistente na decada de 90 e o resultado das puxadas foram 440 hp nas 6700 rpm.
    Hoje o carro esta impecável e em condições de ir para qualquer largada, gracas ao carinho e competencia do Rui Araujo, seu mecanico e criador.

    Resposta
  • 19 de Fevereiro de 2009 em 08:16
    Permalink

    Olá Saloma!
    Acompanho seu blog desde o início, mas essa é a primeira vez que escrevo aqui.
    Junte a falta de tempo com uma dose de timidez e terá a resposta do porquê escrever somente agora.
    Sou apaixonados pelos ‘Mavecos’ e não poderia deixar de dizer que este aí é um tremendo sonho de consumo.
    Quando eu era criança eu via os Maverick correndo contra Opalas e ‘Dójões’ na Força Livre 5.000cc aqui em Santa Catarina, nas pistas de terra.
    Tenho um blog (www.poeiranaveia.blogspot.com) onde estou tentando resgatar um pouco da história das competições aqui em SC, e este blog está me dando grandes alegrias. Estou reeencontrando amigos, fazendo novos amigos e o blog naturalmente está se tornando um ‘ponto de encontro’ (mesmo que virtual) para os amantes da velocidade na terra.
    No último final de semana tive o prazer e a honra de receber como convidado na abertura do Campeonato Catarinense ninguém menos que Paulo Afonso Trevisan.
    Esse cara é inacreditavelmente espetacular. O que ele faz pela memória do Automobilismo Brasileiro é formidável.
    Eu sou fã dele há tanto tempo que nem sei dizer, e receber ele aqui e poder passar praticamente um dia inteiro ao seu lado foi mais do que emocionante, foi um sonho realizado.
    Se puder visite meu blog, mas mais do isso, venha acompanhar uma etapa do Catarinense de Terra.
    Tenho certeza que você nunca mais irá esquecer o que seus olhos virem aqui!
    Um grande abraço de seu fã ‘silencioso’, e parabéns pelo blog, é sensacional.

    Resposta
  • 19 de Fevereiro de 2009 em 08:57
    Permalink

    parem as máquinas… Saloma, vc não percebeu que mandei a pagina 3 duas vezes e faltou a pagina 4 ??? Agora vc me deixou obrigado a scannear a pagina que falta… To indo “resgatar” a revista que tá dentro de umas das caixas do “arquivo x”… Volto em breve com novidades…. Fique atento na caixa postal

    Resposta
  • 19 de Fevereiro de 2009 em 09:00
    Permalink

    Aranha, é um prazeráço tê-lo por aqui comentando, porque sei que vc entra direto no boteco. Ontem mesmo estava me lembrando da coluna sua sobre a volta que deu junto com Redellè na berlenete quando o cabra foi visitá-lo…acho que vou replicar porque ela é muito boa. Mas, vamos ao que interessa, manda para nós a atual configuração do Mustang e se o Paulo permitir, gostaria de fazer uma matéria com o Rui…
    Francis…já está em pauta uma matéria sobre a “poeira veloz”, é assim que chamo o automobilismo na terra. Recebi um material, enviado pelo Paulo e vamos arrebentar e outras idéias passaram pela cachola, mas aí é outra história…e tks pelo carinho com o boteco, apareça sempre e saia da sombra e manda vê nos comentários.
    abs

    Resposta
  • 19 de Fevereiro de 2009 em 09:17
    Permalink

    Paulo Lomba juntamente com outros malucos da velocidade foram agraciados com direito a premio e desfile na passarela no ultimo Brazil Classic Fiat Show,muito justo por sinal,pois fizeram um grande trabalho com esse Mustang Campeão,fiquei emocionado quando ví entrar através da cortina de fumaça,com aquele ronco de arrepiar.Infelismente houve um acidente que deixou o Paulo muito preocupado na hora,mas que graças a Deus no final tudo ficou bem
    foi mais um susto e algumas escoriações no meu amigo Caíque .

    Resposta
  • 19 de Fevereiro de 2009 em 20:32
    Permalink

    Um abraço Aranha! Que pena naquele Clássicos de Competição em fev/07 em Interlagos não pudemos fazer um comparativo desse Mustang maravilhoso contra o Maverick Berta Hollywood. Nós planejando numa boa, só que os infelizes que descarregaram o Maverick detonaram com o cárter e até a bomba de óleo. Temos que criar no futuro uma possibilidade dessas de arrepiar.Se deus quiser.

    Resposta
  • 19 de Fevereiro de 2009 em 21:15
    Permalink

    O mestre Tervisan tem algumas informações pertinentes sobre motor Ford 302 v8 com cabeçotes de alumínio Gurney-Eagle e carburadores webber… Vamos esperar o Paulo Trevisan se manifestar…

    Resposta
  • 20 de Fevereiro de 2009 em 08:23
    Permalink

    Ao Paulo Trevisan,
    Realmente foi uma pena, pois foi a unica vez que estes dois Ford se encontraram. Estamos a disposicao para juntar os dois.Vamos ficar atentos para os proximoa eventos em pistas proximas as nossa cidades, ou equidistantes. Foi uma pena , pois em setembro fomos a Santa Cruz do Sul treinar com o Mustang, estavamos bem proximos.
    Quem sabe organisamos uma visita a Passo Fundo/ Guapore para ensaiarmos os dois juntos
    abracos

    Resposta
  • 20 de Fevereiro de 2009 em 08:34
    Permalink

    Saloma, que mustang lindo e me lembro dele nas provas das mil milhas brasileiras.
    Quando trabalhei numa revenda ford aqui em Brasília (Planaldo de Automóveis (76, 77 e 78)) e eu cuidava da seção de carros usados e peguei num negócio um mustang 68 conversível todo branquinho e fiquei com ele durante mais ou menos um ano só curtindo pela cidade, pois sempre escolhia um para ficar nos finais de semana e este mustang eu nunca fazia negócio nele, apesar de ter muitas proposta, mas eu colocava o preço lá nas alturas para não vender mesmo até o diretor me chamar e dizer que tinha uma proposta irrecusável e então ele foi vendido.
    Jovino

    Resposta
  • 20 de Fevereiro de 2009 em 09:27
    Permalink

    Esse Mustang realmente é fera. Eu me lembro dele nas primeiras corridas de carros clássicos em Interlagos, onde não tinha para ninguém.

    Resposta
  • 21 de Fevereiro de 2009 em 15:58
    Permalink

    Beto se pintar Guaporé, tô dentro…tem uma curvinha de alta que é o bicho e um miolinho indecente…fora a curva antes da reta dos boxes que dá para vir pendurado nos cascos e mandando vê…ai…ai…que saudades do formulinha!

    Resposta
  • 23 de Fevereiro de 2009 em 00:12
    Permalink

    As fotos da matéria na OM foram feitas pelo meu grande amigo “Zé Carlinhos”, de Juiz de Fora. Este fastback marcou época nas 1000 Milhas dos anos 90…

    Resposta
  • 11 de Abril de 2009 em 00:03
    Permalink

    Tenho um destes. Tá longe de ter esta potência mas sei que é um carrão. Todo mundo quer mas só alguns podem ter. Eu sou um destes raros felizardos.

    Resposta
  • 12 de Abril de 2009 em 18:40
    Permalink

    Quando o Mustang do Paulo Lomba/Roberto Aranha bateu com o Maverick na descida da Reta Oposta após passarem um Porsche GT3 na reta dos boxes quase fui embora mas como ainda tinha umas 930 milhas a serem corridas e eu tinha viajado 930 km para as 1000 Milhas resolvi ficar e torcem pro Escort do Rubinho.
    Quando ligaram o motor do Mustang no alinhamento antes da largada foi como um gol do Corinthians numa final no Pacaembú, não houve quem não gritasse na arquibancada.

    Resposta
  • 12 de Abril de 2009 em 18:44
    Permalink

    Carretera, vc atualizou o post, com o comentário do gol do Corinthians no Pacaembú…he…he…

    Resposta
  • 31 de outubro de 2009 em 17:47
    Permalink

    Ei ,gosto muito de mustangs em especial o fastback, isso é carro de colecionador eu não tenho coragem de “destruir ” meu carro para prepara-lo para correr eu deixaria a lataria impecavel e o interior impecavel, o motor V8 como ” regra do mustang” e arrumava carburadores , coletores ,etc bons.

    Assim e o fastback dos sonhos , e eu ainda nem falei de cores e detalhes sou apenas fanatico pelo veiculo!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *