PERFIL DE CAMPEÕES – OTTO KUTTNER

OTTO KUTTNER ao centro, com Jan Balder à esq. e Marinho à dir. 

ottyto kutner jan balder e marinho
Nos deixou no dia 29/01/. Deixa saudades e para quem o conheceu, foi um aprendizado para muitos e principalmente para o amigo Jan Balder, que relata abaixo, um pouco do Otto para nós… um gênio que acordava de madrugada e escrevia nas paredes suas teses nas preparações!

Jan Balder fala de Otto Kuttner, uma passagem sobre a vida de um amigo…

Otto Kuttner,

Logo após a 2ª guerra mundial, o austríaco Otto se aventurou mundo afora e veio parar no Rio de Janeiro, onde conseguiu uma vaga de trabalho na fábrica Fokker holandesa, que montava pequenos aviões em um galpão na base militar no Galeão (abaixo). Alí ficou amigo do meu pai que convidou para ele ficar em casa evitando assim despesas numa simples pensão próximo ao Leme.

montagem
A Fokker se retirou do brasil e meu pai optou em ficar no brasil onde nascia a industria automobilistica.

Nossa familia com Otto junto mudamos para São Paulo, a locomotiva industrial. no inicio após vacas magras, Otto conseguiu emprego na Angloamérica em Santo Amaro e meu pai após passar pela Brasmotor foi convidado para comandar a engenharia da DKW Vemag, onde um ano após admitiu Otto para vice gerente no dpto de testes.

Foto aérea da Fábrica do Ipiranga nos anos 60. Mais de 4.000 funcionários

Na vemag foi um período pioneiro com muitos testes , pesquisas com os fornecedores de materiais para adaptar o DKW nos moldes da géia que exigia 80% do peso do veículo em dois anos de produção.

vemag_dkw_jorge_lettry
O depto de testes foi ampliado agregando um novo de competições ecom Jorge Lettry.

Otto Kuttner desenvolveu o motor DKW para competição e foi ele que conseguiu tirar 108 cavalos din de um motor 1.1 litro, que foi atração nas Mil Milhas de 1961 com a dupla Marinho- Bird (abaixo).

CarreteraMickeyMouseBirdMarinho1961MM

A história dos DKW na pista durou pouco mais de meia decada e quando a Vemag foi adquirida pela VW do Brasil, Otto Kuttner foi junto e alí após 10 anos ao lado de Stefano Campiglia convenceram o presidente Wolfgang Sauer a criar uma categoria que era coqueluche na Alemanha e nasceu a Super Vê brasileira. Logo depois Otto Kuttner saiu da VW e foi fazer sociedade com Alexandre Guimarães na fábrica Kaimann que produzia os monopostos da categoria.

Apaixonado pelo automobilismo passou a sugerir vários assuntos técnicos na CBA, período para quem o conhecia bem ficará desgostoso com a politicagem da entidade e na década de 80 se afastou em definitivo, indo viver tranquilamente na cidade de Mairiporã. Pessoalmente ele foi meu mentor, ficará meu irmão mais velho e me deu total apoio no início da minha carreira.

MM Milhas 1966

Naquela famosa Mil Milhas de 1966  (acima) ele nos orientou, acreditou nos jovens meninos, quando compartilhei ao lado de Emerson uma emocionante corrida. ele deixa muitas saudades.

Jan Balder

(reprodução/www.bawrery.wordpress.com)

Luiz Salomão

Blogueiro e arteiro multimídia por opção. Dublê de piloto do "Okrasa" Conexão direta com o esporte a motor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.