CREDENCIAIS – AUTOMOBILISMO CARIOCA

Vale lembrar que essa época de bastante agito no automobilismo carioca, deve-se ao fato emergente das categorias monomarcas com nomes importantes do cenário nacional competindo nas provas regionais e o Rio sendo palco de vários eventos interestaduais.

Material enviado pelo Rubens Casses, as credenciais da Divisão I e Torneio Passat, guardadas com carinho, mostram como foi importante essas competições.

Toninho DaMatta, Vice-Campeão Brasileiro de Turismo de Série, 1977. A equipe Autobet/Codeplan, de Minas Gerais, inscreveu um Passat TS em todas as provas do Campeonato Brasileiro de Divisão 1 para os pilotos Toninho da Matta e José Alberto Junqueira. [primeira foto no Autódromo de Jacarepaguéá, Rio e a segunda em Interlagos, São Paulo]

3° colocado na prova no Rio de Janeiro, Torneio Nacional Passat, 1979 – Piloto Jorge de Freitas – Equipe Rio Motor / Castrol [de quebra o caminhão do Muffatão Supermercados atrás da grade no estacionamento)]


(reprodução/Rubens Casses,/arq.DaMatta/Blog do Sanco)

Luiz Salomão

Blogueiro e arteiro multimídia por opção. Dublê de piloto do "Okrasa" Conexão direta com o esporte a motor!

20 comentários em “CREDENCIAIS – AUTOMOBILISMO CARIOCA

  • 5 de janeiro de 2009 em 09:50
    Permalink

    3 anos atraz eu ia de sete lagoas pra bh e no trevo prox ao ceasa bh existia um ferro velho de latinhas e no meio da sucata estavam 4 carcacas de passat desta epoca ds equipe do clemente faria
    parei pelejei pra comprar tinha amassados mas que nao tiravam o valor pra mim mas o dono do sucatao havia feito um acordo com quem lhe vendeu o material que iria destrui lo
    foi devidamente picado e certamnete virou aco nas panelas da belgo mineira
    tem um boato de um stock opala dos primeiros acho que 1979 com propaganda de uma torrefadora de cafe perdido em uma fazenda a 200 km de casa
    ja achei um malzoni,um f ford e agora estou atraz deste opala para completar a saga do automobilismo dos anos 70 80
    jc sete lagoas

    Resposta
  • 5 de janeiro de 2009 em 09:50
    Permalink

    3 anos atraz eu ia de sete lagoas pra bh e no trevo prox ao ceasa bh existia um ferro velho de latinhas e no meio da sucata estavam 4 carcacas de passat desta epoca ds equipe do clemente faria
    parei pelejei pra comprar tinha amassados mas que nao tiravam o valor pra mim mas o dono do sucatao havia feito um acordo com quem lhe vendeu o material que iria destrui lo
    foi devidamente picado e certamnete virou aco nas panelas da belgo mineira
    tem um boato de um stock opala dos primeiros acho que 1979 com propaganda de uma torrefadora de cafe perdido em uma fazenda a 200 km de casa
    ja achei um malzoni,um f ford e agora estou atraz deste opala para completar a saga do automobilismo dos anos 70 80
    jc sete lagoas

    Resposta
  • 5 de janeiro de 2009 em 10:47
    Permalink

    Lindas fotos! O Passat TS com seus quatro faróis era um ícone. As credenciais também são muito legais mesmo com uma delas feita por um “luminar” que não domina a língua mãe e deve ter feito parte da maravilhosa reforma ortográfica já que conseguiu 100% de produtividade: duas linhas, dois erros. Lembro bem delas, não podiam pegar chuva senão iam embora…

    Resposta
  • 5 de janeiro de 2009 em 10:47
    Permalink

    Lindas fotos! O Passat TS com seus quatro faróis era um ícone. As credenciais também são muito legais mesmo com uma delas feita por um “luminar” que não domina a língua mãe e deve ter feito parte da maravilhosa reforma ortográfica já que conseguiu 100% de produtividade: duas linhas, dois erros. Lembro bem delas, não podiam pegar chuva senão iam embora…

    Resposta
  • 5 de janeiro de 2009 em 13:39
    Permalink

    JOsé Carlos, e o Fitti Porsche? Você andou dando uma olhada nele por aí, mas pelo que eu apurei aqui, o dono era um fazendeiro e se ainda existir é bem provável que esteja jogado em alguma fazenda aí desta redondeza.
    Jovino

    Resposta
  • 5 de janeiro de 2009 em 13:39
    Permalink

    JOsé Carlos, e o Fitti Porsche? Você andou dando uma olhada nele por aí, mas pelo que eu apurei aqui, o dono era um fazendeiro e se ainda existir é bem provável que esteja jogado em alguma fazenda aí desta redondeza.
    Jovino

    Resposta
  • 5 de janeiro de 2009 em 16:28
    Permalink

    Lindas credenciais. E o Da MAtta foi um dos maiores pilotos desse país… especialmente de Passat… O Toninho matava a pau…

    Resposta
  • 5 de janeiro de 2009 em 16:28
    Permalink

    Lindas credenciais. E o Da MAtta foi um dos maiores pilotos desse país… especialmente de Passat… O Toninho matava a pau…

    Resposta
  • 6 de janeiro de 2009 em 11:13
    Permalink

    Belas imagens…1977 foi o último ano em que realmente me interessei pelo automobilismo doméstico, por causa daquelas batalhas épicas da Divisão 1. A partir de 78, com a chegada do grupo Um, a VW implantou o Torneio Passat e a Fiat o Torneio Fiat 147. Não que as corridas não fossem disputadas, muito pelo contrário, mas perderam a graça pra mim por serem monomarcas.
    Este é também o motivo que a F-Ford nunca despertou minha paixão; ou s Super V~e mas já na VW 1330 pela grande variedade de marcas de chassi (na prática tudo a mesma coisa), com diferentes carrocerias faziam a festa.
    Mas é apenas questão de gosto.

    Resposta
  • 6 de janeiro de 2009 em 11:13
    Permalink

    Belas imagens…1977 foi o último ano em que realmente me interessei pelo automobilismo doméstico, por causa daquelas batalhas épicas da Divisão 1. A partir de 78, com a chegada do grupo Um, a VW implantou o Torneio Passat e a Fiat o Torneio Fiat 147. Não que as corridas não fossem disputadas, muito pelo contrário, mas perderam a graça pra mim por serem monomarcas.
    Este é também o motivo que a F-Ford nunca despertou minha paixão; ou s Super V~e mas já na VW 1330 pela grande variedade de marcas de chassi (na prática tudo a mesma coisa), com diferentes carrocerias faziam a festa.
    Mas é apenas questão de gosto.

    Resposta
  • 6 de janeiro de 2009 em 14:34
    Permalink

    o fitti porsche nao consegui info solidas
    a unica que tenho de carro de corrida que veio pra arranca foi um heve que andou na mao do mauricio lanna preparador de arrancada
    bom salientar que por traz do toninho da matta tinha uma baita equipe sob a preparacao master do sanchao que era um estudioso dos passats ts
    tive um 1976 77 que tinha a faixa no meio da porta e alavanca de cambio alta que logo logo eu cambiei o trambulador
    na epoca era o cao chupando manga pra andar eram poucos que faziam a curva do ponteio junto com 250 s.quem e de bh sabe o que e a curva do ponteio
    o que tinha de especial uma recalibragem das molas e um carburador mexido e nada mais porem sobre as instrucoes do gordo sanchao
    DEUS O ILUMINE ONDE ESTIVER
    jc
    sete lagoas

    Resposta
  • 6 de janeiro de 2009 em 14:34
    Permalink

    o fitti porsche nao consegui info solidas
    a unica que tenho de carro de corrida que veio pra arranca foi um heve que andou na mao do mauricio lanna preparador de arrancada
    bom salientar que por traz do toninho da matta tinha uma baita equipe sob a preparacao master do sanchao que era um estudioso dos passats ts
    tive um 1976 77 que tinha a faixa no meio da porta e alavanca de cambio alta que logo logo eu cambiei o trambulador
    na epoca era o cao chupando manga pra andar eram poucos que faziam a curva do ponteio junto com 250 s.quem e de bh sabe o que e a curva do ponteio
    o que tinha de especial uma recalibragem das molas e um carburador mexido e nada mais porem sobre as instrucoes do gordo sanchao
    DEUS O ILUMINE ONDE ESTIVER
    jc
    sete lagoas

    Resposta
  • 6 de janeiro de 2009 em 14:51
    Permalink

    Bem lembrado do Sanchão, Zé…conheci o cabra! Na época tinha um Ts que comprei de um engenheiro da VW, com preparação e deixou o motor mais nevorsivo. E quando estava no meio dos caras no Rio, e aprovetei um embalo para pedir sugestões sobre o chão do carro, o Sanchão refez toda a engenharia. Estava tudo errado…e pensando que estava com um Passatão no chão era o melhor. E para meus afazeres e ficou ótimo. Depois de umas idas e vindas de SP ao Rio, com as minhas folgas do trabalho, peguei a mão do novo chão, e aí sim o bicho ficou um demônio, tanto que num racha com um Monza SR metido a besta, ao final da Serra das Araras, perdi a mão da barata, na curva com relêve pra fora e fui cair dentro de um buraco no rio ao lado da pista. Isso tudo no dia 30 de dezembro…quer mole ou quer mais! É pura diversão…

    Resposta
  • 6 de janeiro de 2009 em 14:51
    Permalink

    Bem lembrado do Sanchão, Zé…conheci o cabra! Na época tinha um Ts que comprei de um engenheiro da VW, com preparação e deixou o motor mais nevorsivo. E quando estava no meio dos caras no Rio, e aprovetei um embalo para pedir sugestões sobre o chão do carro, o Sanchão refez toda a engenharia. Estava tudo errado…e pensando que estava com um Passatão no chão era o melhor. E para meus afazeres e ficou ótimo. Depois de umas idas e vindas de SP ao Rio, com as minhas folgas do trabalho, peguei a mão do novo chão, e aí sim o bicho ficou um demônio, tanto que num racha com um Monza SR metido a besta, ao final da Serra das Araras, perdi a mão da barata, na curva com relêve pra fora e fui cair dentro de um buraco no rio ao lado da pista. Isso tudo no dia 30 de dezembro…quer mole ou quer mais! É pura diversão…

    Resposta
  • 7 de janeiro de 2009 em 00:02
    Permalink

    Belas fotos. A primeira, de 1977, mostra o grande Toninho no grid ao lado daquele Passat#25 que o Paternostro pilotava com o Atila J.Sippos. Eles depois se separaram e o Pater ganhou o campeonato de 77 “solo”. A segunda é o Toninho puxando pelotão com o Balbi no #7 e o Zé Junqueira e o Clemente Faria na sequência. Foto de 79, quando o Da Matta tinha patrocínio do Jeans Flamers. A última é o carro do Jorge de Freitas da Equipe Rio Motor (1979). Bons tempos.
    Abç
    Caranguejo

    Resposta
  • 7 de janeiro de 2009 em 00:02
    Permalink

    Belas fotos. A primeira, de 1977, mostra o grande Toninho no grid ao lado daquele Passat#25 que o Paternostro pilotava com o Atila J.Sippos. Eles depois se separaram e o Pater ganhou o campeonato de 77 “solo”. A segunda é o Toninho puxando pelotão com o Balbi no #7 e o Zé Junqueira e o Clemente Faria na sequência. Foto de 79, quando o Da Matta tinha patrocínio do Jeans Flamers. A última é o carro do Jorge de Freitas da Equipe Rio Motor (1979). Bons tempos.
    Abç
    Caranguejo

    Resposta
  • 28 de junho de 2009 em 19:16
    Permalink

    A respeito da dúvida sobre a presença do HEVE nas pistas de arrancada de BH e RJ, esclareço que comprei este carro Penta Campeão Brasileiro da famosa equipe Hollywood o equipei com motor a ar de minha preparação e ganhei provas em BH e RJ. Infelizmente vendi o carro para o sul do país e hoje ele esta exposto no acervo de carros de corrida no Rio Grande do Sul. O carro foi comprado por mm e vendido em estado impecável de conservação. Quem pintou este carro foi o grande Cid Mosca!!!

    Resposta
  • 28 de junho de 2009 em 19:16
    Permalink

    A respeito da dúvida sobre a presença do HEVE nas pistas de arrancada de BH e RJ, esclareço que comprei este carro Penta Campeão Brasileiro da famosa equipe Hollywood o equipei com motor a ar de minha preparação e ganhei provas em BH e RJ. Infelizmente vendi o carro para o sul do país e hoje ele esta exposto no acervo de carros de corrida no Rio Grande do Sul. O carro foi comprado por mm e vendido em estado impecável de conservação. Quem pintou este carro foi o grande Cid Mosca!!!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.