CLASSIC RACING KILLARNEY…NA PISTA…

Vamos dar movimento as imagens…agora as baratas vão para a pista, o seu habitat natural!
Pelotão de peso…

Cooper Bristol acelerando…

Corvette Stingray…

AC Cobra…

Ford Fairlanes do Vitão???

Ferrari P2 do mestre Joca…

A cavalaria da Lola T70…

Não poderia faltar, Ford GT 40…

Porsche 914 do Vicente…

Porsche 956 em ação…

Alfas e pista, tudo a ver…

Ford Capri do “M”…

McLarem M1…

Karman-Ghia, saia e blusa…

Ford Anglia, pequeno mas veloz…

Renault R8 do Alfonso…

Fiat 124 Abarth…
É isso…
LS (reprodução)

Luiz Salomão

Blogueiro e arteiro multimídia por opção. Dublê de piloto do "Okrasa" Conexão direta com o esporte a motor!

30 comentários em “CLASSIC RACING KILLARNEY…NA PISTA…

  • 16 de julho de 2008 em 13:44
    Permalink

    A primeira foto ,esse Chevron B16 é pareo em beleza com o T70 .

    Mas não é una Ferrari.

    Resposta
  • 16 de julho de 2008 em 13:44
    Permalink

    A primeira foto ,esse Chevron B16 é pareo em beleza com o T70 .

    Mas não é una Ferrari.

    Resposta
  • 17 de julho de 2008 em 00:18
    Permalink

    Caro Jonny’O !
    O B16 é quase um xerox da Mk3b.
    Se vc gosta, há um zero-bala a venda no site do Bill Dowson. Pena que tá meio caro:
    http://www.race-cars.com/carsales/chevron/1212113548/1212113548ss.htm

    Mas vejam a petulância daquele MGB, empurrando a P2 do Sir Piper !!! Tudo para sair bem na foto !

    Agora a pergunta para os entendidos:
    Qual destes carros tem motor AP 2.0 ????

    Pois é…viva o braZil…

    Resposta
  • 17 de julho de 2008 em 00:18
    Permalink

    Caro Jonny’O !
    O B16 é quase um xerox da Mk3b.
    Se vc gosta, há um zero-bala a venda no site do Bill Dowson. Pena que tá meio caro:
    http://www.race-cars.com/carsales/chevron/1212113548/1212113548ss.htm

    Mas vejam a petulância daquele MGB, empurrando a P2 do Sir Piper !!! Tudo para sair bem na foto !

    Agora a pergunta para os entendidos:
    Qual destes carros tem motor AP 2.0 ????

    Pois é…viva o braZil…

    Resposta
  • 17 de julho de 2008 em 00:36
    Permalink

    Saloma,

    O Capri doirado num é meu, não !
    Si-sesse aquela roda traseira da perereca tedesca não ficaria no ar, não !
    Abraços !

    Resposta
  • 17 de julho de 2008 em 00:36
    Permalink

    Saloma,

    O Capri doirado num é meu, não !
    Si-sesse aquela roda traseira da perereca tedesca não ficaria no ar, não !
    Abraços !

    Resposta
  • 17 de julho de 2008 em 07:55
    Permalink

    ora “M”. não quer o brinquedinho…

    Resposta
  • 17 de julho de 2008 em 07:55
    Permalink

    ora “M”. não quer o brinquedinho…

    Resposta
  • 17 de julho de 2008 em 10:51
    Permalink

    Nada disso !
    Se é presente, tô aceitando até injeção na testa !
    Manda entregar ou tenho que ir buscar ????

    Resposta
  • 17 de julho de 2008 em 10:51
    Permalink

    Nada disso !
    Se é presente, tô aceitando até injeção na testa !
    Manda entregar ou tenho que ir buscar ????

    Resposta
  • 17 de julho de 2008 em 14:24
    Permalink

    M,

    Nosso amigo Sahib Saloma fez alusão ao meu nome na foto do Porsche 914, uma lembrança ao meu 914 laranja e preto, que levei a Águas de Lindóia meses atrás. Deveria fazer menção também ao “insolente” MGB vermelho, pintado à semelhança dos “works cars”, sendo que o carro pilotado por Paddy Hopkirk barbarizou nas 24 Horas de Le Mans de 1965, chegando em 11o lugar na geral, a frente de carros muito mais potentes, chegando a fazer média da ordem de 160 km/h. No próximo ano talvez leve meu MGB 1967 a Águas de Lindóia.

    Saloma,

    Já pensei em escrever uma matéria sobre a história dos MGBs nas pistas, mas quando começo a pensar cansa e me dá uma baita preguiça baiana.
    Imagine que tenho fotos de alguns “works cars” na época em que eram ativos combatentes, depois abandonados e hoje restaurados.

    Resposta
  • 17 de julho de 2008 em 14:24
    Permalink

    M,

    Nosso amigo Sahib Saloma fez alusão ao meu nome na foto do Porsche 914, uma lembrança ao meu 914 laranja e preto, que levei a Águas de Lindóia meses atrás. Deveria fazer menção também ao “insolente” MGB vermelho, pintado à semelhança dos “works cars”, sendo que o carro pilotado por Paddy Hopkirk barbarizou nas 24 Horas de Le Mans de 1965, chegando em 11o lugar na geral, a frente de carros muito mais potentes, chegando a fazer média da ordem de 160 km/h. No próximo ano talvez leve meu MGB 1967 a Águas de Lindóia.

    Saloma,

    Já pensei em escrever uma matéria sobre a história dos MGBs nas pistas, mas quando começo a pensar cansa e me dá uma baita preguiça baiana.
    Imagine que tenho fotos de alguns “works cars” na época em que eram ativos combatentes, depois abandonados e hoje restaurados.

    Resposta
  • 17 de julho de 2008 em 14:38
    Permalink

    coloca o teclado para trabalhar…vamos homem!

    Resposta
  • 17 de julho de 2008 em 14:38
    Permalink

    coloca o teclado para trabalhar…vamos homem!

    Resposta
  • 17 de julho de 2008 em 19:17
    Permalink

    Ah !!!!
    Então o amigo Vicente faz parte da confraria-sofredora !!!!
    Tb tenho um MGB cabrio 1967, preto, #GHN5UA208745G; e mais um 1974, branco, #GHN5UE333565G; devidamente escoltados pelo irmão mais velho, um MGA 1957, verde, #HDR4315942.
    O MG que rasgava em LeMans era um C “works”, que usava o mesmo motor 6 cilindros, 3 litros, do Austin-Healey.

    Resposta
  • 17 de julho de 2008 em 19:17
    Permalink

    Ah !!!!
    Então o amigo Vicente faz parte da confraria-sofredora !!!!
    Tb tenho um MGB cabrio 1967, preto, #GHN5UA208745G; e mais um 1974, branco, #GHN5UE333565G; devidamente escoltados pelo irmão mais velho, um MGA 1957, verde, #HDR4315942.
    O MG que rasgava em LeMans era um C “works”, que usava o mesmo motor 6 cilindros, 3 litros, do Austin-Healey.

    Resposta
  • 18 de julho de 2008 em 11:37
    Permalink

    M,

    O MGC barbarizou em Sebring. Em Le Mans foram os MGBs e sua última participação foi em 1965, se não me engano ainda com motor de 3 mancais.
    Tem um sujeito na Inglaterra, que só coleciona “works cars”, que recuperou um daqueles Cs com a carroceria em painéis de alumínio, 3 Webers DCOE, original da batalha de Sebring.
    Em tempo, meu ´67 B também é Roadster, Old English White, com certificado de originalidade British Motor Heritage Industry Trust, 3 synchro gearbox, pedal de acelerador com assinatura de Paddy Hopkirk, Motolita, a little bit fine tuned like those Stage V cars, I mean, Weber 45 DCOE, finned valve cover, mais algumas dicas que peguei pessoalmente na Moss Europe (Londres), etc …. O insolente anda bem, muito bem. Levei-o a Águas de Lindóia em 2002 e 2006.

    Resposta
  • 18 de julho de 2008 em 11:37
    Permalink

    M,

    O MGC barbarizou em Sebring. Em Le Mans foram os MGBs e sua última participação foi em 1965, se não me engano ainda com motor de 3 mancais.
    Tem um sujeito na Inglaterra, que só coleciona “works cars”, que recuperou um daqueles Cs com a carroceria em painéis de alumínio, 3 Webers DCOE, original da batalha de Sebring.
    Em tempo, meu ´67 B também é Roadster, Old English White, com certificado de originalidade British Motor Heritage Industry Trust, 3 synchro gearbox, pedal de acelerador com assinatura de Paddy Hopkirk, Motolita, a little bit fine tuned like those Stage V cars, I mean, Weber 45 DCOE, finned valve cover, mais algumas dicas que peguei pessoalmente na Moss Europe (Londres), etc …. O insolente anda bem, muito bem. Levei-o a Águas de Lindóia em 2002 e 2006.

    Resposta
  • 18 de julho de 2008 em 12:19
    Permalink

    M,

    Tenho um bom material dos 3 MGB´s de fábrica (DRX 255C pilotado por Paddy Hopkirk e Andrew Hedges em Le Mans 1965, BMO 541B e 7 DBL, originalmente equipados com motores de 3 mancais) participando de provas na Europa, principalmente em Le Mans (tenho inclusive fotos de um dos 3 o carro com o famoso “long nose” sendo acertado a martelo pelo engenheiro do Racing Dept trajado a caráter, vestindo blazer de tweed). Os carros de fábrica andavam nas pistas de velocidade com 1 Weber 45 DCOE e MUITA coisa braba lá dentro do pequeno motor de 4 cilindros. Tenho um raro livreto da BMC mostrando o que consta de cada estágio de preparação oferecido pela fábrica obtido em Richmond.

    Tenho também material dos MGC’s GTS (os works cars de alumínio que barbarizaram em 1969 em Sebring) pintados de BRG (British Racing Green, para os que não são do meio entenderem) com bico amarelo e vermelho, os tais que andaram muito em Sebring.

    Observe que em 1967, para fugir da categoria GT 2 litros dominada pelos Porsches, a fábrica preparou um MGB GT para Sebring com motor aumentado para 2004 cm3, para entrar na categoria imediatamente acima, menos compeptitiva que a 2 litros. Depois desenvolveu os famosos MGC GTS com motores de 6 cilindros de 3 litros iguais aos utilizados nos Austin Healey.

    Para maiores informações sobre a história dos MGB´s e MGC´s, acesse

    http://www.mgexperience.net/motorsport/historic.php

    Resposta
  • 18 de julho de 2008 em 12:19
    Permalink

    M,

    Tenho um bom material dos 3 MGB´s de fábrica (DRX 255C pilotado por Paddy Hopkirk e Andrew Hedges em Le Mans 1965, BMO 541B e 7 DBL, originalmente equipados com motores de 3 mancais) participando de provas na Europa, principalmente em Le Mans (tenho inclusive fotos de um dos 3 o carro com o famoso “long nose” sendo acertado a martelo pelo engenheiro do Racing Dept trajado a caráter, vestindo blazer de tweed). Os carros de fábrica andavam nas pistas de velocidade com 1 Weber 45 DCOE e MUITA coisa braba lá dentro do pequeno motor de 4 cilindros. Tenho um raro livreto da BMC mostrando o que consta de cada estágio de preparação oferecido pela fábrica obtido em Richmond.

    Tenho também material dos MGC’s GTS (os works cars de alumínio que barbarizaram em 1969 em Sebring) pintados de BRG (British Racing Green, para os que não são do meio entenderem) com bico amarelo e vermelho, os tais que andaram muito em Sebring.

    Observe que em 1967, para fugir da categoria GT 2 litros dominada pelos Porsches, a fábrica preparou um MGB GT para Sebring com motor aumentado para 2004 cm3, para entrar na categoria imediatamente acima, menos compeptitiva que a 2 litros. Depois desenvolveu os famosos MGC GTS com motores de 6 cilindros de 3 litros iguais aos utilizados nos Austin Healey.

    Para maiores informações sobre a história dos MGB´s e MGC´s, acesse

    http://www.mgexperience.net/motorsport/historic.php

    Resposta
  • 19 de julho de 2008 em 03:58
    Permalink

    Vicente,
    Não sei se vc sabe, há um MGC GT em Sampa. Importei para um amigo em 2005. O carro era muito original, inclusive com os 2 hidrovácuos de fábrica !
    Os meus MGBs hoje são bem caretas. O 74 é Old English Ivory (ou branco lotus, para os íntimos). Só o MGA é que tem um pequeno upgrade, porque o motorzinho 1.5 e a caixa chorona me tiravam do sério. Um pretão 5 mancais e caixa do 78 resolveram o “pobrema”
    Tb tenho todos os “Special Tunning” da BMC.
    Há alguns anos, fiz um MGB GT com motor 2.0, 2 Weber 45 DCOE, comando Elgin, válvulas de sódio, volante de alumínio e todos os truques que aquele maluco da Tolmim & Tolmim tinha na prateleira. Andava na frente dos Porsche 2.2 de arrancada e de final ! Era bem engraçado !!!
    Mas hoje, o lider da tropa de choque da Union Jack da garagem é um A-H Bug Eye 58 endiabrado, com um autêntico motor F3 (devidamente amansado).
    Abraços !

    Resposta
  • 19 de julho de 2008 em 03:58
    Permalink

    Vicente,
    Não sei se vc sabe, há um MGC GT em Sampa. Importei para um amigo em 2005. O carro era muito original, inclusive com os 2 hidrovácuos de fábrica !
    Os meus MGBs hoje são bem caretas. O 74 é Old English Ivory (ou branco lotus, para os íntimos). Só o MGA é que tem um pequeno upgrade, porque o motorzinho 1.5 e a caixa chorona me tiravam do sério. Um pretão 5 mancais e caixa do 78 resolveram o “pobrema”
    Tb tenho todos os “Special Tunning” da BMC.
    Há alguns anos, fiz um MGB GT com motor 2.0, 2 Weber 45 DCOE, comando Elgin, válvulas de sódio, volante de alumínio e todos os truques que aquele maluco da Tolmim & Tolmim tinha na prateleira. Andava na frente dos Porsche 2.2 de arrancada e de final ! Era bem engraçado !!!
    Mas hoje, o lider da tropa de choque da Union Jack da garagem é um A-H Bug Eye 58 endiabrado, com um autêntico motor F3 (devidamente amansado).
    Abraços !

    Resposta
  • 20 de julho de 2008 em 18:52
    Permalink

    M,

    MGA com motor 5 mancais deve ser bem interessante. A caixa, igual à do MGB até 1967, com a primeira seca, não enche a paciência, já que nada é tão ruim como o engate da primeira nas caixas Porsche 901 (as primeiras de 5 marchas que equipavam todos os 914 e os primeiros 911).

    Tempos atrás quase comprei um MGB 67 com motor estourado. Pensava em fazê-lo também 2 litros, com 2 Webers e aquele magnífico cabeçote crossflow de US$ 1.500,00 .

    Parabéns pela frota.

    Resposta
  • 20 de julho de 2008 em 18:52
    Permalink

    M,

    MGA com motor 5 mancais deve ser bem interessante. A caixa, igual à do MGB até 1967, com a primeira seca, não enche a paciência, já que nada é tão ruim como o engate da primeira nas caixas Porsche 901 (as primeiras de 5 marchas que equipavam todos os 914 e os primeiros 911).

    Tempos atrás quase comprei um MGB 67 com motor estourado. Pensava em fazê-lo também 2 litros, com 2 Webers e aquele magnífico cabeçote crossflow de US$ 1.500,00 .

    Parabéns pela frota.

    Resposta
  • 21 de julho de 2008 em 12:05
    Permalink

    M,

    … corrigindo o comentário anterior:

    Tempos atrás quase comprei um MGB GT 67 com motor estourado. Pensava em fazê-lo também 2 litros, com 2 Webers e aquele magnífico cabeçote crossflow de US$ 1.500,00 .

    … continuando

    Imagine juntar o preparo acima com a nova caixa de 5 marchas que a Moss está oferecendo, além do digerencial blocante, já ofertado há um tempão. Só que tudo isso não custa barato …

    Quando restaurei mei Porsche 914, procurei fazer um preparo leve para não ter que colocar radiador de óleo na frente do carro, nem bomba dupla e cárter seco. Portanto, instalei um comando um pouco mais esperto (usinado na Sobe em SP, copiado de um Iskenderian) com um pouco mais de duração e o mesmo levantamento, dutos trabalhados, câmaras equalizadasa, taxa um pouco acima de 8:1,volante-motor um pouco aliviado, eixo, volante, bielas, pistões e pinos balanceados, descarga dimensionada, distribuidor de avanço 100% mecânico (Bosch 009), dupla Weber 40 IDF, etc…

    Caso queira, peça ao Saloma meu e-mail particular.

    Saloma,

    Autorizo você formecer meu e-mail ao M.

    Resposta
  • 21 de julho de 2008 em 12:05
    Permalink

    M,

    … corrigindo o comentário anterior:

    Tempos atrás quase comprei um MGB GT 67 com motor estourado. Pensava em fazê-lo também 2 litros, com 2 Webers e aquele magnífico cabeçote crossflow de US$ 1.500,00 .

    … continuando

    Imagine juntar o preparo acima com a nova caixa de 5 marchas que a Moss está oferecendo, além do digerencial blocante, já ofertado há um tempão. Só que tudo isso não custa barato …

    Quando restaurei mei Porsche 914, procurei fazer um preparo leve para não ter que colocar radiador de óleo na frente do carro, nem bomba dupla e cárter seco. Portanto, instalei um comando um pouco mais esperto (usinado na Sobe em SP, copiado de um Iskenderian) com um pouco mais de duração e o mesmo levantamento, dutos trabalhados, câmaras equalizadasa, taxa um pouco acima de 8:1,volante-motor um pouco aliviado, eixo, volante, bielas, pistões e pinos balanceados, descarga dimensionada, distribuidor de avanço 100% mecânico (Bosch 009), dupla Weber 40 IDF, etc…

    Caso queira, peça ao Saloma meu e-mail particular.

    Saloma,

    Autorizo você formecer meu e-mail ao M.

    Resposta
  • 21 de julho de 2008 em 23:03
    Permalink

    Vicente,
    Esqueça um pouco da Moss. Eles estão salgando demais os preços e as invenções não são lá estas coisas.
    As coisas normais, tenho comprado na Victoria British.
    O cabeçote de aluminio do Martin não é cross-flow mas funciona muito bem, e junto com os balanceiros roletados de alumínio Harland Sharp, custa “apenas” $1.150.
    A caixa 5m é a do Miata. No brazil, a do Chevette resolve, mas vc vai precisar usar o motor de arranque do Martim. Ele faz para todos os ingleses, com um Denso desmultiplicado, leve e sem aquele pescoção dos ingleses.
    Para o blocante, veja o Phanton-Grip. $299. Eu tenho. É excelente !

    Sem dúvida ! O MGA com o motor & cx do B ficou ótimo !Para completar, ganhou os freios a disco, tb !

    Nem me fale de 901. Sofro com 3 ! Mas pelo menos o 912 Targa 67 que estou fazendo já vai ganhar uma 915 !

    914 – Sua opção pelos IDF foi perfeita, se bem que eu teria colocado os 44.
    Mas vc pode (e deve) colocar um radiador externo e suprimir o interno. A Empi tem uma flange para colocar no lugar do radiador, com saida e entrada para o circuito externo. Pode também fazer a saida pela tampa da bomba de óleo. E coloque um filtro tb.
    O radiador não precisa ficar na frente. pode ser colocado ao lado do câmbio. O filtro cabe muito bem no compartimento do motor.
    Com um radiador de 13 linhas (do MGB), mais filtro e linhas, vc acrescenta 1 litro de óleo ao circuito.
    Tenho certeza que o engenho vai agradecer !
    O camando Isky 1213 para o Tipo 4 fui eu que fiz !
    Um dia eu conto a estória. Mas acho que não foi um destes que vc copiou, pq era um full race.
    Ah ! E bote uma Pertronix neste distribuidor, porque platinado já era !
    Se o Saloma passar seu email, atolo sua caixa postal com os links de todas estas porcarias !
    Agora preciso jantar, se bem que o calor que faz nesta terra tira até o apetite…
    Abraços,
    EU

    Resposta
  • 21 de julho de 2008 em 23:03
    Permalink

    Vicente,
    Esqueça um pouco da Moss. Eles estão salgando demais os preços e as invenções não são lá estas coisas.
    As coisas normais, tenho comprado na Victoria British.
    O cabeçote de aluminio do Martin não é cross-flow mas funciona muito bem, e junto com os balanceiros roletados de alumínio Harland Sharp, custa “apenas” $1.150.
    A caixa 5m é a do Miata. No brazil, a do Chevette resolve, mas vc vai precisar usar o motor de arranque do Martim. Ele faz para todos os ingleses, com um Denso desmultiplicado, leve e sem aquele pescoção dos ingleses.
    Para o blocante, veja o Phanton-Grip. $299. Eu tenho. É excelente !

    Sem dúvida ! O MGA com o motor & cx do B ficou ótimo !Para completar, ganhou os freios a disco, tb !

    Nem me fale de 901. Sofro com 3 ! Mas pelo menos o 912 Targa 67 que estou fazendo já vai ganhar uma 915 !

    914 – Sua opção pelos IDF foi perfeita, se bem que eu teria colocado os 44.
    Mas vc pode (e deve) colocar um radiador externo e suprimir o interno. A Empi tem uma flange para colocar no lugar do radiador, com saida e entrada para o circuito externo. Pode também fazer a saida pela tampa da bomba de óleo. E coloque um filtro tb.
    O radiador não precisa ficar na frente. pode ser colocado ao lado do câmbio. O filtro cabe muito bem no compartimento do motor.
    Com um radiador de 13 linhas (do MGB), mais filtro e linhas, vc acrescenta 1 litro de óleo ao circuito.
    Tenho certeza que o engenho vai agradecer !
    O camando Isky 1213 para o Tipo 4 fui eu que fiz !
    Um dia eu conto a estória. Mas acho que não foi um destes que vc copiou, pq era um full race.
    Ah ! E bote uma Pertronix neste distribuidor, porque platinado já era !
    Se o Saloma passar seu email, atolo sua caixa postal com os links de todas estas porcarias !
    Agora preciso jantar, se bem que o calor que faz nesta terra tira até o apetite…
    Abraços,
    EU

    Resposta
  • 22 de julho de 2008 em 10:09
    Permalink

    M,

    Obrigado pelas dicas.

    Estou grilado coma Victoria British. Comprei um jogo de feixes de molas para o B (altura original) e eles enviaram uma porcaria fabricada na Tailândia que só serve para dragster, porque o carro ficou 1 palmo mais alto. Felizmente tinha umpar antigo e bom no meu pequeno depósito.

    Com relação ao 914, mantive o platinado mas instalei uma MSD para platinado mesmo. Já queimei 2 Petronix e desisti. Meu Isky é um 228 (268 a 270 graus de tempo total). Não quis embrabar demais por uma mera questão de análise custo/bebefício, além do que o flat-four não está esquentando muito. Concordo que os 44 ficariam melhor, assim como eixo mais longo e pistões maiores, elevando a cilindrada para assustar alguns flat-six.

    Agora o papo passa para o e-mail.

    Um abraço,
    Vicente

    Resposta
  • 22 de julho de 2008 em 10:09
    Permalink

    M,

    Obrigado pelas dicas.

    Estou grilado coma Victoria British. Comprei um jogo de feixes de molas para o B (altura original) e eles enviaram uma porcaria fabricada na Tailândia que só serve para dragster, porque o carro ficou 1 palmo mais alto. Felizmente tinha umpar antigo e bom no meu pequeno depósito.

    Com relação ao 914, mantive o platinado mas instalei uma MSD para platinado mesmo. Já queimei 2 Petronix e desisti. Meu Isky é um 228 (268 a 270 graus de tempo total). Não quis embrabar demais por uma mera questão de análise custo/bebefício, além do que o flat-four não está esquentando muito. Concordo que os 44 ficariam melhor, assim como eixo mais longo e pistões maiores, elevando a cilindrada para assustar alguns flat-six.

    Agora o papo passa para o e-mail.

    Um abraço,
    Vicente

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.