EFEITO CANGURU

No VW, D3 e TEP, que corria com pneus slics toda configuração de suspensão é muito diferente dos carros que correm com pneus radiais. Os Pneubrás tinham 10 pol. de largura, e para aproveitar toda área de contacto destes pneus e toda potencia dos motores suas suspensões eram bastante trabalhadas.

Na dianteira alguns carros usavam catracas, outros um novo local de fixação da suspensão, que subisse e descesse todo conjunto, braços, barra de torção etc., na TEP corríamos com amortecedores nacionais, no meu caso Barchi, eles eram regulados com muita pressão tanto de bump quanto rebunp, barra estabilizadora grossa e com regulagem, o que deixava os carros bem duros, com pouco movimento de suspensão.

Na traseira o X da questão, como a suspensão com barra de torção e facões muda toda geometria quando se move e para evitar o efeito canguru às modificações eram radicais.
Na D3 o Jr Lara Campos mudou sua suspensão traseira por uma de Variant 2, nós na TEP não podíamos. Para evitar esta mudança de geometria usávamos o conjunto motor e cambio mais altos uns 10 cm, fazendo novos coxins de alumínio e mudando a fixação do cambio. O conjunto trabalhava mais alto, o varão do cambio passava por cima do túnel central (como se vê no carro do Ricardo e o meu era igual) assim podia-se usar o trambulador do Passat o que tornava a cambiada super precisa, ainda mais no meu caso que usava 1ª no “Bico de pato” e “S”. “Vocês vão me dizer ,” tudo ao contrario, levantar um carro de corrida!”“.

Os semi eixos trabalhavam com grau positivo, amortecedores duríssimos tanto de bunp quanto rebunp e barra estabilizadora grossa com regulagem . Tudo para evitar o que se vê na foto acontecendo com o carro à frente do Luiz (colocar aquela foto sua e do outro fusca no “S do Senna) o que alem de descontrolar o carro provocava a perda de tração .

Usávamos freios a disco nas quatro rodas , pastilhas importadas , as melhores que podíamos achar , na época era tudo mais difícil .
Apesar de tudo isso, o segredo era pilotar bem redondo, não atravessar nas curvas para evitar o tal do Canguru, em algumas era difícil, mais eram curvas de baixa, que fora o “Sargento” no meu caso feita em 2ª marcha onde se precisava de tração para chegar forte ao “Laranja” não fazia tanta diferença . Agora nas de alta era o “capeta” no meu caso chegava a “Um” em 4ª marcha a 7.000 RPM, isto com um pneu de 20 de altura aro 13 pol., diferencial 8/31 e quarta marcha 0.96 era algo próximo dos 200 km/h.
Eu fazia cravado na “Tres” uma pendurada forte nos “alicates” depois da placa dos 50 m enfiava uma terceira e pé embaixo até a entrada da “Ferradura”, linda curva, a primeira perna à esquerda em 4ª cravado, na tangencia dela, já com o carro reto uma freada bem forte e redução para segunda, na “Subida do lago” chegava em 4ª bem forte, uma aliviada no acelerador, 4ª até quase o ponto de tangencia e ai enfiava uma 3ª, o que com meus 1.90 m era complicado, parecia que a perna ia sair do carro! “Reta oposta” e ai o “Sol” que junto com a “Um” são curvas Rainhas, onde os garotos e os homens se separam aquele raio longo os dois pontos de tangencia etc. etc. etc., feita no meu caso em 4ª, junto com a “Um” e “Três” eu amava esta curva!

Rui Amaral

Luiz Salomão

Blogueiro e arteiro multimídia por opção. Dublê de piloto do "Okrasa" Conexão direta com o esporte a motor!

56 comentários em “EFEITO CANGURU

  • 23 de junho de 2009 em 11:27
    Permalink

    Ótimo texto.
    Perfeito. Claro que os semi-eixos com um grau positivo permitiriam a cambagem zerada ou levemente negativa em caso de aceleração e saídas de curva, evitando assim perda de contato dos larguísimos pneus traseiros.
    E mais, como no kart com pneus muito largos, o tempo só vem andando redondo porque se andar muito “de lado”, o motor amarra nas saídas de curva. Suavidade e progressividade na tocada, é o que sempre diz o veterano piloto carioca Amauri Mesquita, também amigo do Saloma..

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 11:27
    Permalink

    Ótimo texto.
    Perfeito. Claro que os semi-eixos com um grau positivo permitiriam a cambagem zerada ou levemente negativa em caso de aceleração e saídas de curva, evitando assim perda de contato dos larguísimos pneus traseiros.
    E mais, como no kart com pneus muito largos, o tempo só vem andando redondo porque se andar muito “de lado”, o motor amarra nas saídas de curva. Suavidade e progressividade na tocada, é o que sempre diz o veterano piloto carioca Amauri Mesquita, também amigo do Saloma..

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 12:15
    Permalink

    É sem autoblocante e com aquela suspenção andar de lado é perder tempo , o motor era 1.600 cc , cabeçotes de dupla entrada e preparação livre , valvulas se ainda me lembro 36 escape e 39/40 de admissão , comando ,pratos , molas , varetas livres , pistões forjados etc etc , movido a alcool taxa de compressão 12/1 , fazia em Interlagos 1.6 km/l . O Chapa meu preparador de motores demorava em média 4 h para enquadrar cada motor . Testei alguns comandos que giravam mais de 8.000 rpm , só que sua faixa de utilização era muito estreita , eram comandos da S. Vê que usavam cambio de 5 marchas .

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 12:15
    Permalink

    É sem autoblocante e com aquela suspenção andar de lado é perder tempo , o motor era 1.600 cc , cabeçotes de dupla entrada e preparação livre , valvulas se ainda me lembro 36 escape e 39/40 de admissão , comando ,pratos , molas , varetas livres , pistões forjados etc etc , movido a alcool taxa de compressão 12/1 , fazia em Interlagos 1.6 km/l . O Chapa meu preparador de motores demorava em média 4 h para enquadrar cada motor . Testei alguns comandos que giravam mais de 8.000 rpm , só que sua faixa de utilização era muito estreita , eram comandos da S. Vê que usavam cambio de 5 marchas .

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 13:33
    Permalink

    Rui,
    Um carioca que correu na D3 por volta de 1973 a 1975 certa vez testou um comando em que o carro passava de 8.000 rpm na reta, mas com caixa 3 (4 marchas) ficava sem marcha ideal para sair da Ferradura. Ou saía com o motor esgoelado, muito acima da faixa de torque máximo, ou saía com o motor frouxo, gargarejando, ratendo, precisando dar umas queimadas de embreagem para “limpar” e subir de giro. E na reta dos boxes também, era um tal de queimar embreagem para encher o motor …..

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 13:33
    Permalink

    Rui,
    Um carioca que correu na D3 por volta de 1973 a 1975 certa vez testou um comando em que o carro passava de 8.000 rpm na reta, mas com caixa 3 (4 marchas) ficava sem marcha ideal para sair da Ferradura. Ou saía com o motor esgoelado, muito acima da faixa de torque máximo, ou saía com o motor frouxo, gargarejando, ratendo, precisando dar umas queimadas de embreagem para “limpar” e subir de giro. E na reta dos boxes também, era um tal de queimar embreagem para encher o motor …..

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 13:59
    Permalink

    Vicente,
    Eu usava cx 3 , a saída da “Ferradura” era um pepino , chegava a ela a uns 7.000 rpm em 4ª , pendurava nos alicates , segunda direto ,era o único lugar que faltava motor na saída . Em 75/76 andava-se de peneus importados , altura 22 , ai o diferencial era mais curto 8/33 8/35 e alguns carros iam de Hewland 5 marchas alem de autoblocante . De qualquer forma os comandos que giravam muito alto tinham uma faixa de uso muito pequena 1200/1300 giros e quando baixava disto era um sufoco levantar.

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 13:59
    Permalink

    Vicente,
    Eu usava cx 3 , a saída da “Ferradura” era um pepino , chegava a ela a uns 7.000 rpm em 4ª , pendurava nos alicates , segunda direto ,era o único lugar que faltava motor na saída . Em 75/76 andava-se de peneus importados , altura 22 , ai o diferencial era mais curto 8/33 8/35 e alguns carros iam de Hewland 5 marchas alem de autoblocante . De qualquer forma os comandos que giravam muito alto tinham uma faixa de uso muito pequena 1200/1300 giros e quando baixava disto era um sufoco levantar.

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 14:15
    Permalink

    Rui,
    Lembro-me de amaciar o motor do carro desse amigo carioca na Marginal à noite. Se deixasse o motor cair de 2500 ou 3000 rpm apagava. Os pneus eram importados (GoodYear) mas caixa Hewland com 5 marchas, que eu me lembre, só o Gigante usou.

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 14:15
    Permalink

    Rui,
    Lembro-me de amaciar o motor do carro desse amigo carioca na Marginal à noite. Se deixasse o motor cair de 2500 ou 3000 rpm apagava. Os pneus eram importados (GoodYear) mas caixa Hewland com 5 marchas, que eu me lembre, só o Gigante usou.

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 14:22
    Permalink

    Vicente ,
    Acho que o Guaraná tambem ele e o Teleco andavam muito forte , mais tarde ligo p/ o Teleco e pergunto .

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 14:22
    Permalink

    Vicente ,
    Acho que o Guaraná tambem ele e o Teleco andavam muito forte , mais tarde ligo p/ o Teleco e pergunto .

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 14:41
    Permalink

    Rui,
    Eu adorava os carros da Autozooom, mas em 75/76 a equipe já estava desfeita (Robertinho Simão já havia falecido) e o Guaraná levou o carro para ser preparado no Amador. Seria bom você telefonar também para o Amador.
    Soube que o Teleco estava meio adoentado.

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 14:41
    Permalink

    Rui,
    Eu adorava os carros da Autozooom, mas em 75/76 a equipe já estava desfeita (Robertinho Simão já havia falecido) e o Guaraná levou o carro para ser preparado no Amador. Seria bom você telefonar também para o Amador.
    Soube que o Teleco estava meio adoentado.

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 15:27
    Permalink

    é muito dificil e caro achar uma caixa Hewland com 5 marchas? e a adaptação dela num fusca de rua é complicado?

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 15:27
    Permalink

    é muito dificil e caro achar uma caixa Hewland com 5 marchas? e a adaptação dela num fusca de rua é complicado?

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 15:30
    Permalink

    Acho que a adaptação não seria o problema do uso…mas na rua, não sei se daria certo…posso dá errado, mas quem pode responder a bagaça é o próprio Daniel!

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 15:30
    Permalink

    Acho que a adaptação não seria o problema do uso…mas na rua, não sei se daria certo…posso dá errado, mas quem pode responder a bagaça é o próprio Daniel!

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 15:50
    Permalink

    Não lembro , o Teleco pode dizer , mais acho que era na carcaça do cambio VW , só que as engrenagens são retas e não cônicas , o barulho é terrivel !!! Ôoooo Teleco , deixa um recado p/ nós !!!!!!!!

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 15:50
    Permalink

    Não lembro , o Teleco pode dizer , mais acho que era na carcaça do cambio VW , só que as engrenagens são retas e não cônicas , o barulho é terrivel !!! Ôoooo Teleco , deixa um recado p/ nós !!!!!!!!

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 15:53
    Permalink

    As engrenagens devem ser fresadas e soldadas para aguentar o tranco…acho eu!

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 15:53
    Permalink

    As engrenagens devem ser fresadas e soldadas para aguentar o tranco…acho eu!

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 16:02
    Permalink

    AS engrenagens são Hewland , só a carcaça da caixa é VW . Este carro do Mogames tinha a coroa e pinhão feitos no Sul era 9/31 , nunca achei uma p/ comprar , segundo o Duran que tinha uma berrava mais que o motor .

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 16:02
    Permalink

    AS engrenagens são Hewland , só a carcaça da caixa é VW . Este carro do Mogames tinha a coroa e pinhão feitos no Sul era 9/31 , nunca achei uma p/ comprar , segundo o Duran que tinha uma berrava mais que o motor .

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 16:37
    Permalink

    Carlos, a gente vai ter que colocar o tico e teco para trabalhar!

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 16:37
    Permalink

    Carlos, a gente vai ter que colocar o tico e teco para trabalhar!

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 16:53
    Permalink

    É Carlos , são gozadas essas coisas , lembro do vento batendo em meu rosto na 1ª volta que dei em Interlagos , tinha oito anos , lembro de detalhes da 1ª volta que dei , ai já treinando com este Dart da foto , lá se vão 39 anos . Recordar é viver ,sempre de pé embaixo .

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 16:53
    Permalink

    É Carlos , são gozadas essas coisas , lembro do vento batendo em meu rosto na 1ª volta que dei em Interlagos , tinha oito anos , lembro de detalhes da 1ª volta que dei , ai já treinando com este Dart da foto , lá se vão 39 anos . Recordar é viver ,sempre de pé embaixo .

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 17:13
    Permalink

    Pé no porão, como falam os cabras do sul!!!!!!!!!

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 17:13
    Permalink

    Pé no porão, como falam os cabras do sul!!!!!!!!!

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 17:27
    Permalink

    eiiita saudades, kkkkk vi a duvida sobre a coroa 9/31 ela realmente era feita no sul, Aamdeu Campos Mogames Lara e eu, que me lembre
    e a 4 marcha ideal era 1/1.04 ou 1/1.08, isso fazia com que nas subidas como a reta oposta , vc sempre tinha um motor mais cheio, ai vc só dava uma aliviada pro carro escorregar ate 2 perna do sol, e acelerava novamente.
    Era assim Rui, kkkkk lembro quando travei o cambio na saida do sol, kkkk e tirei carro a mais de metro do chão, mais foi com o 5 m nacional.
    abraços
    Duran

    Resposta
  • 23 de junho de 2009 em 17:27
    Permalink

    eiiita saudades, kkkkk vi a duvida sobre a coroa 9/31 ela realmente era feita no sul, Aamdeu Campos Mogames Lara e eu, que me lembre
    e a 4 marcha ideal era 1/1.04 ou 1/1.08, isso fazia com que nas subidas como a reta oposta , vc sempre tinha um motor mais cheio, ai vc só dava uma aliviada pro carro escorregar ate 2 perna do sol, e acelerava novamente.
    Era assim Rui, kkkkk lembro quando travei o cambio na saida do sol, kkkk e tirei carro a mais de metro do chão, mais foi com o 5 m nacional.
    abraços
    Duran

    Resposta
  • 24 de junho de 2009 em 18:28
    Permalink

    Este foi um do D3 mais bonitos. Por sinal, tinha algo do Hollywood do Alex?

    Resposta
  • 24 de junho de 2009 em 18:28
    Permalink

    Este foi um do D3 mais bonitos. Por sinal, tinha algo do Hollywood do Alex?

    Resposta
  • 24 de junho de 2009 em 20:48
    Permalink

    Meu tio, Cesar Fiamenghi, correu na D3 entre outras categorias. Se o Saloma se interessar, posso mandar alguma imagem da época.

    Resposta
  • 24 de junho de 2009 em 20:48
    Permalink

    Meu tio, Cesar Fiamenghi, correu na D3 entre outras categorias. Se o Saloma se interessar, posso mandar alguma imagem da época.

    Resposta
  • 25 de junho de 2009 em 20:32
    Permalink

    oi, pessoal, por incrivel que pareça sou um sobrevivente do famoso AVC, após dias de uti, anos de cadeira de rodas e, uso constante de fraldas, SOBREVIVI, apesar do lado esquerdo totalmente paralizado.Pelo q tenho visto aí no blog a dúvida sobre o cambio de 5 marchas no fusca, não deixa de ser o hewlland da F3 CUJA CARCAÇA É IDENTICA AO DO FUSCA, e, qto ao barulho, era infernal, fora q não usávamos coxins do cambio. era direto o q trepidava até o capacete, qdo usei pela primeira vez em Brasilia, na sexta volta parei nos boxes com o motor falhando, havia quebrado todos os cachimbos de vela por causa da trepidação. Bem abraços á todos, saudades daquele tempo,TELECO(e,o pulso, ainda pulsa)

    Resposta
  • 25 de junho de 2009 em 20:32
    Permalink

    oi, pessoal, por incrivel que pareça sou um sobrevivente do famoso AVC, após dias de uti, anos de cadeira de rodas e, uso constante de fraldas, SOBREVIVI, apesar do lado esquerdo totalmente paralizado.Pelo q tenho visto aí no blog a dúvida sobre o cambio de 5 marchas no fusca, não deixa de ser o hewlland da F3 CUJA CARCAÇA É IDENTICA AO DO FUSCA, e, qto ao barulho, era infernal, fora q não usávamos coxins do cambio. era direto o q trepidava até o capacete, qdo usei pela primeira vez em Brasilia, na sexta volta parei nos boxes com o motor falhando, havia quebrado todos os cachimbos de vela por causa da trepidação. Bem abraços á todos, saudades daquele tempo,TELECO(e,o pulso, ainda pulsa)

    Resposta
  • 25 de junho de 2009 em 20:40
    Permalink

    Teleco – manda material para fazermos uma coletânea da D3…

    Resposta
  • 25 de junho de 2009 em 20:40
    Permalink

    Teleco – manda material para fazermos uma coletânea da D3…

    Resposta
  • 27 de junho de 2009 em 11:16
    Permalink

    Poxa, que fantástico saber que o Teleco anda por aqui. Estou preparando uma série de matérias no meu blog a respeito daqueles pioneiros que correram na Inglaterra na Formula Ford, Formula 3 nos anos 70, e que me inspiraram a fazer o mesmo nos anos 80. Teleco, Leonel, Carlos Abdalla, Fernando Jorge, Mario Ferraris, Mario Keko Patti, Aryon Cornelssen, Bolivar de Sordi, tantos outros. Qualquer material que esse pessoal tiver, eu agradeço muito. Abraços

    Resposta
  • 27 de junho de 2009 em 11:16
    Permalink

    Poxa, que fantástico saber que o Teleco anda por aqui. Estou preparando uma série de matérias no meu blog a respeito daqueles pioneiros que correram na Inglaterra na Formula Ford, Formula 3 nos anos 70, e que me inspiraram a fazer o mesmo nos anos 80. Teleco, Leonel, Carlos Abdalla, Fernando Jorge, Mario Ferraris, Mario Keko Patti, Aryon Cornelssen, Bolivar de Sordi, tantos outros. Qualquer material que esse pessoal tiver, eu agradeço muito. Abraços

    Resposta
  • 27 de junho de 2009 em 17:28
    Permalink

    Até que enfim o Teleco falou !!!!! Só vi agora . Um abração Teleco , que Deus olhe por vc ai em Cunha .

    Resposta
  • 27 de junho de 2009 em 17:28
    Permalink

    Até que enfim o Teleco falou !!!!! Só vi agora . Um abração Teleco , que Deus olhe por vc ai em Cunha .

    Resposta
  • 2 de julho de 2009 em 00:58
    Permalink

    galera, quero meter uma caixa de 5 marchas na minha puma com motor ap e suspensao independente de variant com coil over, meu sonho e andar macio e silencioso com toda potencia.

    Resposta
  • 2 de julho de 2009 em 00:58
    Permalink

    galera, quero meter uma caixa de 5 marchas na minha puma com motor ap e suspensao independente de variant com coil over, meu sonho e andar macio e silencioso com toda potencia.

    Resposta
  • 20 de fevereiro de 2011 em 01:11
    Permalink

    Cambio de 5 marchas Hewlland para andar na rua não vai dar certo pois o barulho é infernal e não tem cincronizador… quer dizer vc não engata marcha fora do tempo do motor, é que nem vc engatar marcha em seu carro com cambio normal sem pisar na embreagem….

    Resposta
  • 20 de fevereiro de 2011 em 01:11
    Permalink

    Cambio de 5 marchas Hewlland para andar na rua não vai dar certo pois o barulho é infernal e não tem cincronizador… quer dizer vc não engata marcha fora do tempo do motor, é que nem vc engatar marcha em seu carro com cambio normal sem pisar na embreagem….

    Resposta
  • 13 de abril de 2011 em 13:51
    Permalink

    Maravilha de post.
    Não vivi a epoca da divisão 3, mas como gosto muito de carros e motores ouço muitos causos do pessoal que viveu essa epoca.

    A descrição da tocada é demais… me senti na pista… show

    Resposta
  • 13 de abril de 2011 em 13:51
    Permalink

    Maravilha de post.
    Não vivi a epoca da divisão 3, mas como gosto muito de carros e motores ouço muitos causos do pessoal que viveu essa epoca.

    A descrição da tocada é demais… me senti na pista… show

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.