HISTÓRICO – MAIS DE 115 ANOS DE PAIXÃO ESPORTIVA NO SALÃO RÉTROMOBILE

No salão Rétromobile, no parque de exposições Porte de Versailles, em Paris, a Renault colocou um pouco da sua história automobilística para os apaixonados por carros não só da marca mas relacionados ao automobilismo de todas as épocas. O salão Rétromobile foi uma grande oportunidade de reviver os mais de 115 anos de paixão esportiva da marca, que apresentou alguns exemplares da coleção Renault Classic.
Foto divulgação – imprensa.renault

 

Vamos falar desses dois pequenos grande carros:

 

Modelo 4CV das 24H de Le Mans de 1951: Tendo em vista o sucesso do modelo 4 CV em competições, foi desenvolvida uma versão de alta performance, a 1063, que confirmou no pós-guerra o retorno da Renault às competições.

Após a segunda guerra mundial, a Renault – que havia se tornado estatal (Régie Nationale) – optou pelo carro popular. Lançado em 1946 com um motor de 750 cm3 que entregava aproximadamente 30 cavalos, o 4CV atraía todos os olhares. Alguns carros participaram em provas de endurance, onde se destacavam por  sua agilidade e confiabilidade.

O tipo 1063 era uma evolução esportiva do Renault 4CV. Modificado, o carro ultrapassava os 130 km/h, conquistando uma bela lista de vitórias de 1951 a 1954, com provas tão temidas (foto abaixo) como a Copa dos Alpes, o Liège-Roma-Liège, a Volta da França, as Mil Milhas e até mesmo as 24 horas de Le Mans de 1951, com a vitória na disputadíssima classe dos 750 cm3. Esta pequena bomba voadora marca magistralmente o retorno da Renault às competições.

 

Foto divulgação -imprensa.renault

 

 

Modelo Dauphine n° 65, de 1958: a brilhante vitória do Dauphine n° 65 no rali de Monte Carlo de 1958 (foto abaixo) é um dos mais belos sucessos deste modelo.

 

Foto divulgação -frame video

 

O Dauphine brilhava nas corridas internacionais, onde acumulava vitórias de categoria, tanto nas desafiadoras Mil Milhas italianas como nas “12 Horas de Endurance” de Sebring, nos EUA, antes de conquistar uma vitória espetacular, durante a Volta da Córsega, em 1956, pilotada pelo campeão belga Gilberte Thirion.

Em 1958, o Automóvel Clube de Mônaco decidiu endurecer as regras do famoso Rali de Monte Carlo. Mesmo assim, François Landon, Diretor de Competições da montadora, colocou na prova um modelo Dauphine que conseguiu superar neve, geada, chuva, neve e… as outras 302 equipes, destacando-se frente à concorrência.

Esta vitória, a primeira de um carro de cilindrada tão modesta, teve uma repercussão midiática incrível para a Renault. Depois disso, o Dauphine tornou-se conhecido por toda a parte. E o N° 65 (fotos abaixo) entrou de forma espetacular para a lenda do automobilismo esportivo.

 

Foto divulgação -imprensa.renault

 

Foto divulgação -imprensa.renault

[reprodução]

Luiz Salomão

Blogueiro e arteiro multimídia por opção. Dublê de piloto do "Okrasa" Conexão direta com o esporte a motor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *