FÓRMULA 1 – O RANKING: HAMILTON REINA NA PAUSA DAS FÉRIAS

Lewis Hamilton detém  primeira posição depois de um grande fim de semana na Hungria! Um ranking feito totalmente por especialistas convidados e sites como o nosso os pontua pelo seu desempenho durante todo o trabalho o fim de semana. As máquinas ficam fora da equação.

 

Foto divulgação/FIA

 

Top 10 da semana do GP da Hungria:

 

Quando saiu de seu carro depois de conduzir do 14 ° lugar no grid para a vitória na Alemanha, Lewis Hamilton desabafou: “For those who don’t know me, now you do.”  Enquanto duvidamos do seu preparo emocional, coragem e tenacidade o piloto britânico antes dessa corrida, a verdade que as últimas três corridas de Lewis Hamilton teve um toque de maestria. É difícil escolher um destaque, mas a pole dele na Hungria , mais uma vez demonstrando sua capacidade no molhado, foi realmente hipnótica. Se ele continuar no topo da lista não deve ser uma surpresa.

 

 

Na verdade, o fim de semana de Nico Hulkenberg na Hungria não foi excelente, enquanto ele lutava para conseguir um equilíbrio da sua RS18, classificando em 13° e terminando apenas a um lugar acima. Outra razão para isso foi o fato de a Renault ter contornado sua estratégia original e Hulk foi com pneus médios até o final de sua primeira parada, em vez de colocá-lo sob o Virtual Safety Car quando acionado para novos ultrasofts. Mas com a posição de pista em Hungaroring, que acabou prejudicando o alemão, deixando-o fora dos pontos em uma corrida que ele terminou pela primeira vez desde o GP da Malásia de 2017. Felizmente para Hulkenberg, ele tem uma fantástica linha de resultados – sexto na Grã-Bretanha e quinto na Alemanha -, tendo pelo menos terminado na Hungria, ao contrário de seu DNF na Áustria, sua média de três corridas o coloca em uma posição nesta semana.

 

 

Max Verstappen teve que lava a boca suja com sabão quando ficou fora do Grande Prêmio da Hungria. No seu segundo abandono em três corridas (embora ele foi classificado em 15 º na Grã-Bretanha). Verstappen foi obrigado a descer no ranking esta semana, tendo vencido o Grande Prêmio da Áustria quatro corridas atrás. Teria sido bom vê-lo um desafio para a pole no sábado na Hungria, em vez de terminar em sétimo no grid – “não tem conseguido trabalhar para a equipe na chuva durante todo o ano”, foi a sua avaliação no Hungaroring – mas vale a pena notar que, se tivesse terminado nas posições em que esteve quando ele começou a ter problemas na Grã-Bretanha e na Hungria, seus pontos nas últimas três corridas teriam sido 37, ao invés de 12.

 

 

Sebastian Vettel sobe um lugar no top 10 desta semana, apesar do acidente na Alemanha no que foram. Na verdade, Vettel parecia ter um pouco de temor, não lançando um ataque em Valtteri Bottas para o segundo lugar até a volta 65, quando o finlandês estava em 50 voltas de softs em comparação com as 16 voltas dos ultrasofts de Vettel e Hamilton já tinha ido embora. Olhando de outra maneira, no entanto, a partir do quarto lugar do grid, Vettel fez um bom trabalho para minimizar as perdas à Hamilton, enquanto que em  Silverstone o manteve entre os quatro primeiros.

 

 

Não tem sido uma das melhores corridas de Valtteri Bottas. Destinado a terminar em quarto, em Silverstone, a poucas voltas do fim, foi impedido de ataque ao companheiro de equipe Lewis Hamilton, na Alemanha, antes de passar o Grande Prêmio da Hungria atuando como protetor da retaguarda britânica para afastar a ameaça das Ferraris. Ele então teve um final confuso para aquela corrida, envolvendo-se em incidentes com Sebastian Vettel e Daniel Ricciardo antes de terminar em quinto. A sua contagem de 4-2-5 pontos nos três GP anteriores (DNF na Áustria), enquanto quem sabe se ele teria mais pontos se desse pressão a Hamilton em Hockenheim. Só não o chame de ‘iceman’.

 

 

Depois de Lewis Hamilton, Kimi Raikkonen é o piloto que mais freqüentou o pódio em 2018. Ele tem o olhar gélico e um desempenho super consistente nesta temporada, certamente o melhor que ele fez desde seu retorno em 2014 para a Ferrari. E, embora às vezes você queira ver Raikkonen com foco com seu tremendo talento e realmente buscar vitórias, é difícil imaginar alguém pilotando a segunda melhor Ferrari . A última vez que Kimi não terminou no pódio foi no Canadá, e a sucessão de três corridas do finlandês o está no topo de nosso ranking, tendo retornado.

 

 

Esteban Ocon está carregando muito peso em seus ombros no momento. Ele é um dos principais líderes na especulação do mercado de pilotos, enquanto sua equipe atual da Force India que acaba de entrar com uma intervenção na sua administração . É muito para um piloto em sua segunda temporada completa de Fórmula 1 estar lidando, mas é exatamente isso que o francês está fazendo. Ele está demonstrando uma maturidade imperturbável em um carro de F1 no momento, como o excelente sétimo e oitavo lugares na Grã-Bretanha e na Alemanha atestam. Ele se classificou mal na Hungria, mais tarde revelando que havia os freios dianteiros durante a sessão, e só conseguiu fazer a 13°. Tendo ficado em sexto na Áustria há quatro corridas, no ranking foi inevitável, mas ninguém duvida que a Ocon esteja fazendo um ótimo trabalho em sua segunda temporada.

 

 

Pierre Gasly fez coisas bem especiais com o “Gasmóvel” – como ele chama seu carro – na Hungria. Ele se classificou à frente de Max Verstappen no 6° – Brendon Hartley, companheiro de equipe na Toro Rosso, também merece elogios por levar o 8° – colocando uma vantagem de 32 voltas nos pneus ultrasoft e o STR13 em casa nos pontos. Ele só poderia ter um 13° e 14° nas outras duas corridas (ele tinha 10° em Silverstone, mas caiu para 13° após uma penalidade após a corrida), mas o seu desempenho excepcional na Hungria é suficiente para puxá-lo de volta para o ranking. Bienvenue Pierre!

 

 

E vc Fernando, o piloto mais completo do hall dos que competem na f1 na atualidade, seja bienvenido Fernando! Os problemas persistem na McLaren, mas ninguém pode acusar a equipe de não tentar encontrar soluções, com uma série de mudanças de pessoal de alto nível nos últimos meses chegando o brasileiro Gil de Ferran. Na pista, Alonso ainda é o piloto que muitos chefes adorariam de ter em seus carros em um domingo. Ele agora levou três oitavos lugares em quatro corridas, colocando uma média de três corridas – apesar de não terminar na Alemanha – para voltar ao ranking. Ele também manteve seu recorde de sempre marcando pontos em seu aniversário com seu oitavo lugar na Hungria. Então “feliz cumpleaños” pelos 37 anos de idade.

 

 

Olha quem chegou, Romain Grosjean, retornou ao ranking na semana passada, tendo finalmente começado a acumular pontos regularmente (o companheiro de equipe da Haas, Kevin Magnussen, tem sete pontos finais nesta temporada para os três de Grosjean). Ele estava em sétimo lugar no ranking na sua última colocação , sua pontuação foi impulsionada por uma movimentação fenomenal com o quarto lugar na Áustria, e reforçada por sua queda de velocidade caindo para 6° nas últimas voltas do Grande Prêmio da Alemanha. Grosjean não está num bom ritmo de pontos mas seus GP o mantém no top 10 – apesar de estar na raspa do tacho.

 

Agora os que sairam do top 10 do ranking:

Duas baixas esta semana – Sergio Perez e Kevin Magnussen. Magnussen perde principalmente porque ele tinha uma boa média de três corridas na semana passada, enquanto Perez terminando 14° na Hungria, tendo sido 7-10-7 depois na Alemanha, deslizou para fora.

(reprodução)

Luiz Salomão

Blogueiro e arteiro multimídia por opção. Dublê de piloto do "Okrasa" Conexão direta com o esporte a motor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *